chromecast

Em entrevista para o INFO EXAME, o vice-presidente de produtos da Google no Brasil, Mário Queiroz, confirmou que o Google Chromecast, dispositivo de streaming multimídia da empresa, será lançado no Brasil nesse mês de maio, com preço sugerido de R$ 199.

Mário explica que o Chromecast é focado na simplicidade, buscando aproximar o consumidor com uma interação mais simples que a presente nas Smart TVs atuais. A ideia é que o usuário leve “no máximo cinco minutos ou menos” entre o momento em que retira o produto da caixa até o momento em que ele assiste o primeiro vídeo no produto. Para isso, escolheram a interface dos smartphones, expandindo essa experiência na tela da TV e “abolindo” o controle remoto.

O executivo lembra que o Chromecast foi feito do zero, crescendo aos poucos. Para Mário, o principal diferencial é que o Chromecast é acessível no seu preço sugerido (apesar de muitos considerarem o valor elevado, levando em consideração o preço cobrado nos EUA), além de sua facilidade para receber novos apps, via SDK (prometido pela Google para os desenvolvedores). A ideia da Google a longo prazo é que o Google Cast (sistema presente no Chromecast) esteja embarcado em outros aparelhos de parceiros da empresa.

No Brasil, os parceiros de conteúdo da Google serão os mesmos presentes em outros países, ou seja, parceiros globais (Netflix, Rdio e Vevo). Em um segundo momento, estarão presentes os parceiros locais. A Google já mantém conversa com canais locais de TV.

Inicialmente, a produção do Chromecast não será local, mas se o produto tiver grandes volumes de vendas no Brasil, o parceiro da empresa no projeto “não teria problemas” em produzir o produto por aqui. Mário lembra que nada impede que as pessoas continuem comprando o Chromecast lá fora (pagando US$ 35), e explica que o mercado brasileiro é grande o suficiente para suportar as duas demandas de vendas. Lembra que, no momento, o mercado de banda larga no Brasil ainda é um problema, e que os impostos de importação invariavelmente impactam no valor do produto. Por outro lado, ele mesmo afirma que o mercado brasileiro como um todo cresceu, onde a Google vende mais produtos e serviços, e os concorrentes, também. E eles esperam o mesmo efeito para o Chromecast.

Outro fator que explica o lançamento do dispositivo no Brasil é o crescimento do consumo de conteúdo via streaming. O executivo aposta que, no futuro, os conteúdos via internet serão a força dominante no consumo do entretenimento, e a mídia física será definitivamente abandonada. Até lá, a Google aposta no Chromecast em escala global, e espera que a banda larga brasileira cresça no mesmo porte, para acompanhar esse crescimento.

Via INFO EXAME