Galaxy-S7-2

No ano passado, o processador Snapdragon 810 da Qualcomm teve sérios problemas de superaquecimento, algo que lhe custou ficar em um segundo plano, recebendo mais críticas do que elogios de especialistas e proprietários de alguns smartphones top de linha. Nesse ano, o fantasma do excesso de calor começa a assombrar o Samsung Galaxy S7.

Um teste com esse modelo baseado no processador Exynos 8890 (que é a versão que está disponível no mercado brasileiro) mostra que depois de 15 minutos de jogos de forma intensa, o smartphone perde aproximadamente 25% de desempenho, e sua temperatura sobe até os 38 graus. Esse cenário pode indicar claramente problemas de superaquecimento.

Apesar da temperatura citada não ser tão elevada, faz algum sentido pensar que quando detectamos um aumento da mesma e chega a um determinado limite, o próprio chip reduz a sua frequência de trabalho, evitando que o mesmo siga produzindo mais calor, e reduzindo em grande medida o seu desempenho.

Leve em conta que esse fenômeno só parece ocorrer com o Exynos 8890, um SoC fabricado em processo de 14 nanômetros FinFET LPP e que conta com uma CPU de oito nucleos. Por sua vez, o Snapdragon 829 tem uma CPU de quatro núcleos, também fabricado em 14 nanômetros, mas ao que parece a redução do número de núcleos parece ter acabado com os problemas de temperatura que sofria o seu antecessor.

calor-galaxy-s7

Vamos ficar atentos para novas informações sobre o assunto. Porém, é curioso ver como nem o sistema de resfriamento presente do Galaxy S7 foi suficiente para controlar o calor produzido pelo Exynos 8890. Também é preciso esperar por um posicionamento oficial da Samsung sobre o tema. Se é que a empresa vai se posicionar. Normalmente eles ficam calados em situações controversas como essa.

Via TweakTown