2012 está acabando, e os exercícios de futurologia já começaram entre os veículos especializados de tecnologia, e em blogs de segundo escalão, como o TargetHD. Começamos a série de posts de “Futurologia” com o que pode acontecer no próximo ano em termos de lançamentos com a maior empresa de tecnologia do mundo, a Apple.

Antes, é sempre bom lembrar que o que vou fazer nesse post é um chutômetro total. Não existe base científica nenhuma que comprove minhas teorias, e nada do que eu disser a seguir pode vir a acontecer até dezembro de 2013. Mas ao menos vai resultar em um bom post, gerando algum tipo de discussão (saudável, eu espero) sobre as possibilidades de cada empresa em termos de lançamentos futuros e novas estratégias de mercado.

Apple

A Apple é líder de mercado, mas precisa inovar novamente. E definitivamente, pois existe um ar de descontentamento geral entre os usuários mais pioneiros da empresa. Existe espaço para inovação. Agora, se ela vai acontecer? É difícil saber. Mas podemos chutar algumas possibilidades.

iPhone “de entrada”

A Apple deu o seu primeiro passo em busca do “povão”, ou de popularizar os seus produtos entre aqueles que não podem pagar caro para se ver livres de contratos. O iPad Mini é esse primeiro passo, mesmo custando US$ 150 mais caro que os seus principais concorrentes no segmento de tablets de 7 polegadas (Amazon Kindle Fire HD e Google Nexus 7). Os tais planos pré-pagos são os mais populares na Europa (e no Brasil, desde sempre), e é um público que a empresa de Cupertino não pode desperdiçar.

Logo, o lançamento de um iPhone mais simples e acessível pode ser uma estratégia interessante para buscar um público que, em partes, já foi dela. Com a crise na Europa e nos Estados Unidos, os usuários trocaram os seus iPhones com planos pós-pagos para escolher smartphones mais simples (e na maioria dos casos, com sistema Android) com planos pré-pagos, para continuar se comunicando com amigos e familiares. E com a saída do mercado do iPhone 3GS (e o iPhone 4 não tendo o mesmo apelo popular de antes), talvez o lançamento de um iPhone de entrada não pareça algo tão absurdo assim. Apesar de considerar algo realmente difícil de acontecer.

Apple HDTV

Esse é o rumor mais forte envolvendo um futuro lançamento da Apple para 2013. Analistas acreditam que o modelo já está em estágio avançado de desenvolvimento, e que a primeira TV de alta definição da Apple deve começar a ser produzida no começo do ano que vem, para ser anunciada no segundo semestre de 2013. As apostas para esse produto são diversas. Uma delas envolve o seu conceito: para ser diferente das demais, ela vai oferecer uma combinação de um hardware potente e competente, um software que os usuários já conhecem (o iOS ou uma firmware com uma interface similar) e um conjunto de serviços atraentes.

Teria como objetivo inicial conquistar a base de usuários que já usam algum dispositivo iOS (iPhone, iPad, iPod, etc), para depois abraçar os consumidores fora do ecossistema de produtos da empresa. É uma aposta importante, pois além de adicionar a Apple em um novo segmento de consumo, é mais uma aposta de expansão do seu portfólio de eletrônicos.

MacBook Air com iOS

Bom, tem gente lá fora falando sobre isso. Particularmente, eu não acredito, mesmo fazendo algum sentido. Pense comigo: aproximadamente 85-90% dos lucros da Apple hoje envolvem algum produto com o sistema operacional iOS (iPhone, iPad e iPod), logo, não seria de todo mal ver a Apple lançando outros produtos com o sistema operacional móvel. Porém, estamos falando de um notebook que impulsionou todo um segmento de ultrabooks (ou pelo menos a Intel se inspirou neles para criar esse conceito), com um poder computacional considerável, que é uma bela ferramenta de produtividade para muitos usuários.

Por outro lado, o principal objetivo do MacBook Air é oferecer produtividade e mobilidade. E faz um bom tempo que a Apple está querendo “fundir” a aparência de uso do OS X com o iOS. Na impossibilidade dessa fusão acontecer, poderia ser uma boa oferecer uma versão do seu MacBook com o iOS, para entregar uma alternativa aos usuários que já estão acostumados ao iOS, depois de anos de uso.

Não sei se essa ideia vinga. Acho realmente bem difícil, mas até que não seria uma má ideia.

E isso porque eu não falei de novos e melhorados iPad, iPad Mini, iPhone, MacBooks… só falamos daquelas que podem ser consideradas inovações da Apple, e não reformulações. Se essas previsões se tornarão realidade, não sabemos. Mas que pelo menos poderemos dizer que avisamos se alguma dessas se confirmar, isso é fato.