sharp-smartphone

Segundo o Wall Street Journal, a Foxconn teria realizado uma oferta de compra pela Sharp, no valor de US$ 5.3 bilhões. A empresa se destaca por muitas coisas, mas principalmente pela sua capacidade de produzir telas e criar novas tecnologias, o que pode ser de bom grado para a Foxconn no desenvolvimento de smartphones, tablets e wearables.

Porém, a Foxconn não é a única interessada na Sharp. Um fundo de investimento japonês, o Innovation Network Corp. of Japan (INCJ), onde o governo japonês está envolvido, tem uma oferta de US$ 2.5 bilhões. Das grandes empresas japoneses que fabricam telas, a única que ficou fora dessa iniciativa foi a JDI, que tem como parceiras a Hitachi, a Toshiba e a Sony, para fazer frente aos coreanos e chineses. Curiosamente, a JDI também tem o envolvimento do governo japonês.

incj

Hoje, a Sharp produz telas para dispositivos móveis da Apple, que é muito interessada nesse negócio. Outros compradores da empresa são a LG e a Samsung.

A tela LCD é o elemento mais caro de um smartphone, podendo custar até três vezes mais que qualquer outra peça. Podemos imaginar que um controle mais direto sobre este elemento pode ser algo muito importante para a Foxconn e para a Apple.

Vale lembrar que a Foxconn realizou investimentos na Sharp nos últimos anos, e que por mais de uma ocasião eles quiseram ficar com uma parte de suas ações, mas sem conseguir um controle maior do que aquele que os japoneses queriam. A Sharp é hoje uma empresa com mais de 48 mil funcionários e 29 centros de trabalho.

A decisão sobre o futuro da Sharp deve ser anunciada na apresentação dos seus próximos resultados financeiros, marcado para o dia 4 de fevereiro.