César Hidalgo, docente chileno do MIT, está desenvolvendo um projeto que tem como objetivo final substituir os políticos por modelos de inteligência artificial.

O físico trabalha em uma tecnologia que permite a participação política através de uma inteligência artificial, onde no futuro podemos ter (por exemplo) um presidente personalizado por software, que obtém dados sobre o comportamento dos cidadãos para representá-lo a cada vez que uma lei ou legislação entrar em votação.

Essa IA terá a capacidade de analisar os dados da pessoa e cruzar com as legislações, buscando um veredito mais adequado, suprimindo os questionamentos ou ambiguidades que podem apresentar os políticos de carne e osso. No futuro, a ideia é que essa IA tome decisões automaticamente, por nós.

A proposta aparece em um momento onde o escândalo da Cambridge Analytica fez enormes estragos com os sistemas democráticos. Há dúvidas sobre o caráter ‘politico’ do projeto, e o sistema se une a questionamentos já existentes dentro do segmento eleitoral relacionado com a tecnologia, como o voto eletrônico e a capacidade atual das inteligências artificiais, cujo conceito é questionado.

Será que um projeto como esse é algo realmente viável?

 

Via El Mercurio