beats-neymar

Nós já divulgamos aqui no blog que a Sony, como um dos patrocinadores oficiais da Copa do Mundo FIFA 2014, distribuiu gratuitamente seus fones de ouvido para jogadores e membros das delegações que estão disputando o torneio no Brasil. Mas nada disso vem de graça: em troca, os jogadores são proibidos de utilizar os seus fones da Beats ou de qualquer outra marca rival dentro das dependências esportivas (estádios).

Porém, fora desse local sagrado, astros do futebol como Neymar, Cristiano Ronaldo ou Wayne Rooney mantém os seus fones de ouvido da Beats em funcionamento, e nas mais diferentes cores para, entre outras coisas, chamar a atenção do público sobre suas preferências pessoais de acessórios musicais.

Brazil Portugal Soccer WCup

Acima, os jogadores da seleção portuguesa, Cristiano Ronaldo e Miguel Veloso. Miguel usa o seu iPad com fones da Beats. Essa foto foi registrada na chegada da delegação lusitana no Brasil.

Esse é mais um caso que, por mais que se pague para uma personalidade midiática para marcar tendências, não é possível mudar as regras do jogo. Pelo contrário: só vai amplificar o alcance de algumas marcas. Gostemos ou não, os fones Beats continuam na moda. Muitos afirmam que o som não é grande coisa, e que existem alternativas melhores e mais baratas. Tudo isso é verdade. Porém, os fones da marca seguem sendo um fenômeno, que só aumentou depois da compra da empresa pela Apple.

De acordo com a Reuters, a Beats é uma das marcas que mais apareceu na Copa do Mundo 2014 sem precisar pagar um centavo de patrocínio, enquanto que os seus rivais pagaram fortunas para aparecerem no maior evento do planeta. Especialmente a Sony, que é uma das principais patrocinadoras do evento.

Neymar, Rooney ou Luiz Suarez são apenas alguns dos jogadores que foram vistos com fones Beats fora dos estádios. Muitos por escolha própria. Outros – como é o caso de Neymar – por conta de acordos publicitários.

publicidade-neymar-beats

A decisão da FIFA de proibir os jogadores de utilizarem os seus fones Beats dentro dos estádios, para não prejudicar a imagem da Sony como patrocinador, só torna a situação ainda pior. E não é a primeira vez que isso acontece com a Beats em um evento mundial desse porte (algo parecido aconteceu com a Panasonic, patrocinadora oficial dos Jogos Olímpicos de Londres 2012).

Moral da história: é difícil mudar a moda na base da canetada.

 

Via Reuters