sony-headquarters-logo

O FBI acaba de acusar oficialmente a Coreia do Norte como responsável pelo ciberataque sofrido pela Sony Pictures. Em um comunicado, a agência do governo dos Estados Unidos explica os motivos. Além disso, é esperado que o presidente Barack Obama faça uma coletiva de imprensa ainda hoje para falar sobre o assunto.

O FBI informa que não vai entrar em detalhes sobre suas fontes e métodos para chegar a tal conclusão, mas garantem que existem similaridades no código do malware utilizado pelos atacantes aos servidores da Sony com outros malwares anteriores desenvolvidos pela Coreia do Norte. Além disso, eles afirmam que detectaram IPs do país, e que as ferramentas utilizadas são muito parecidas com aquelas utilizadas anteriormente – e supostamente – contra a Coreia do Sul, em março de 2013.

A agência também garante que esta é mais uma amostra de como a Coreia do Norte é uma real ameaça cibernética para os Estados Unidos. “As ações da Coreia do Norte pretendiam infingir danos em uma empresa dos Estados Unidos, e eliminar o direito dos cidadãos norte-americanos de se expressarem. Esses atos de intimidação ficam fora daquilo que pode ser considerado o comportamento aceitável de um país”, diz o comunicado.

A grande pergunta que fica agora é: como vai responder o governo dos Estados Unidos, agora que o contundente comunicado do FBI confirma o envolvimento da Coreia do Norte no ataque (cibernético, mas que é considerado um ataque contra os EUA)?

Como disse antes, Barack Obama vai dar uma entrevista coletiva (se já não aconteceu enquanto você lê esse post no futuro), onde é esperado que ele explique as medidas que ele pretende tomar a respeito. Especula-se uma ‘resposta proporcional’ naquilo que já é considerada uma questão de ‘segurança nacional’.

Para quem ainda não sabe (ou vive em uma caverna, longe da civilização e da internet), um resumo: no final de novembro, a Sony Pictures foi atacada por crackers, onde mais de 100 terabytes de dados foram vazados. Nos últimos dias, a Sony se vê ameaçada de ter mais dados vazados, incluindo ameaças terroristas contra as salas de cinema que promovem ou exibem o filme ‘The Interview’, protagonizado por Seth Rogen e James Franco (cujo plot principal é ‘apenas’ um plano de assassinar o líder da Coreia do Norte). A Sony decidiu suspender a sua estreia, e o governo norte-americano decidiu entrar na briga, para defender a liberdade de expressão dos seus cidadãos, ao mesmo tempo que visa proteger suas fronteiras cibernéticas.

Para ler o comunicado do FBI na íntegra, clique aqui.