windows-phone-duvidas

 

A Microsoft apostou que as diferenças que o Windows Phone poderiam oferecer em relação ao iOS e Android seriam suficientes para tornar o sistema relevante no mercado.

Hoje, vemos que nada disso aconteceu, deixando o sistema apenas como mais um dentro dos nanicos que enfrentam o duopólio no segmento mobile.

Mesmo com a quebra de promessas nas atualizações, o Windows Phone mantém alguns fãs, que agora pedem explicações para a Microsoft sobre as intenções para o futuro do sistema operacional.

 

Chega de sofrer, chega de chorar…

 

Os fãs do Windows Phone já sofreram bastante.

O Windows Phone 7 ficou para trás, e quem apostou no Windows Phone 8 voltou a perder dinheiro quando viu que o seu dispositivo não seria atualizado para o Windows 10.

Tudo indicava que a Microsoft iria ignorar completamente o segmento móvel, depois de milhões de dólares desperdiçados e uma cota de mercado inferior a 1%.

A pergunta que fica é: o que a Microsoft planeja?

Ou será que ela desistiu de vez do segmento?

 

As perguntas apareceram durante a reunião dos acionistas da Microsoft, e foram feitas diretamente para Satya Nadella, que delineou o novo caminho para a Microsoft, que não visava o desenvolvimento de dispositivos próprios, optando por fazer com que os serviços da empresa desembarcasse em todas as plataformas concorrentes.

O resultado? Temos muitos apps Microsoft para Android e/ou iOS, mas ironicamente eles ficam de fora no Windows Phone.

Por outro lado, Satya também revelou que a aposta no Windows Phone não está completamente esquecida, e que em breve começará a ganhar fôlego novo, apostando nos elementos que os tornam diferenciador, como o modo Continuum por exemplo, o que é um passo a mais no sentido de utilizar o smartphone como substituto do computador tradicional.

A torcida é para que isso aconteça. O mercado precisa de coisas novas.

Já temos um pequeno grande exemplo de como pode ser fatal subestimar dispositivos ao lançar algo diferente em um mercado saturado e dominado por gigantes.

 

Via Ars Technica