Facebook

 

Mark Zuckerberg anunciou que o Facebook alcançou a marca de 2 bilhões de usuários ativos. A magnitude dessa rede social de 13 anos de vida é incrível, se tornando hoje uma poderosa rede de comunicação, informação e influência.

E Zuckerberg deveria ter em mente a filosofia do “grandes poderes levam a grandes responsabilidades”.

Os próprios responsáveis pelo Facebook reconhecem que o mais importante é ser cuidadoso na hora de gerenciar a rede social, já que eles estão chegando a uma dimensão que vale a pena revisar tudo o que é possível para que eles se tornem a melhor força positiva possível.

O Facebook cresceu demais, e hoje esse crescimento está um pouco mais lento, mesmo com muitos mercados ainda não alcançando o seu ponto de maturidade tecnológica. Porém, o crescimento foi potencializado pelo seu papel em países emergentes.

Desde quando alcançou 1 bilhão de usuários, 746 milhões desses vieram da Ásia e do “resto do mundo”, enquanto que nos Estados Unidos e Canadá o crescimento foi de apenas 41 milhões de usuários.

 

 

O impacto de qualquer mudança no Facebook é tão grande como essa dimensão que tem em todo o mundo, e o próprio Facebook precisa compreender melhor como ele funciona.

Este é um dos motivos pelos quais Mark Zuckerberg está viajando para várias regiões dos Estados Unidos, pois entende que o papel da rede social na vida das pessoas e entidades é algo tão relevante, que eles precisam ser especialmente cuidadosos com esses movimentos.

Fato é que, recentemente, podemos sentir os efeitos desse poder todo em nossas vidas. O fake news e o debate sobre a censura na internet depois das transmissões ao vivo de assassinatos se unem ao efeito polarizador de uma rede social que fecha o usuário ainda mais na sua câmara de eco: reforçando as preferências e magnificando medos, temores e ódios.

 

 

O Facebook deve trabalhar em todos esses pontos, mas há muitos outros debates abertos sobre o futuro de uma redes social onde muitos criticam por incitar uma web segregada e fechada.

Só nos resta esperar que o Facebook se lembre dos poderes e das responsabilidades, e corrija com o tempo todos esses problemas para reforçar o seu lado positivo que indubitavelmente tem para milhões de pessoas em todo mundo.

Mark Zuckerberg tem 2 bilhões de motivos para fazer isso direito.

 

Via Mark Zuckerberg (Facebook)