facebook-internet-plan

Para empresas de internet como Google e Facebook, quanto maior o número de pessoas conectadas na internet, melhor funcionará o seu modelo de negócio. Por isso, a rede social de Mark Zuckerberg está tentando criar novas tecnologias que permitam que mais pessoas acessem a web da forma mais simples possível.

Entre as soluções planejadas está o uso dos satélites de órbita baixa, que podem oferecer a conectividade nas zonas rurais. Porém, tal opção tem suas complicações, como o fato dos satélites se moverem em uma maior velocidade que os geostacionários. Para solucionar este problema, o Facebook planeja criar bases terrestres que podem seguir os satélites, desconectando assim que eles deixam a área de alcance, e se conectam quando chegam, de forma totalmente transparente para o usuário.

Uma segunda alternativa complementar está no uso de drones que funcionariam com energia solar, voando a 20 mil metros de altura, mais alto que os aviões comerciais. Esses drones conectados poderiam voar durante vários meses, enquanto recebem e transmitem dados para a Terra.

Os cientistas do Facebook pensam que seria possível fazer com que esses satélites em órbita baixa e drones possam se comunicar por lasers, uma solução que é pesquisada sob o campo da “ótica de espaço livre”. O sistema permite transferir dados em velocidades comparáveis com as da fibra ótica, mas se a necessidade de instalação de cabos.

Até agora, ideias similares foram compartilhadas na iniciativa internet.org, que foi apresentada por Mark Zuckerberg em agosto de 2013. Empresas como Ericsson, MediaTek, Nokia, Opera, Samsung e Qualcomm se uniram ao projeto para melhorar a conectividade à web, e garantem que mais de três milhões de pessoas nas Filipinas e no Paraguai já possuem acesso à internet por conta dessa associação.

Porém, o próximo passo do projeto é conectar todo o planeta, através da iniciativa “Connectivity Lab”, uma nova iniciativa do Facebook que vai tornar realidade os planos de uso de satélites, drones e lasers.

A seguir, um vídeo explica um pouco melhor o possível funcionamento das soluções apresentadas pelo Facebook.

 

Via Facebook
Via Internet.org