Apenas poucos dias depois que a juíza norte-americana Lucy Koh decretou a interrupção das vendas do Galaxy Tab 10.1 a pedido da Apple em caráter temporário, a mesma juíza volta a dar aos coreanos a mesma punição, desta vez, para o Galaxy Nexus. O motivo? Você já sabe: o smartphone da Samsung (supostamente) viola várias das patentes da Apple.

Mais precisamente, são quatro patentes alegadas pela Apple para demandar contra a Samsung, sendo que a mais importante é uma que descreve uma “interface universal para obter informações em um sistema informático” (traduzindo: um sistema de busca em várias fontes de dados através de uma única interface, algo que pode estar diretamente relacionado ao Siri).

Outra alegação feita faz referência a um “sistema e método para realizar uma ação em uma estrutura em dados gerados por um computador” (já utilizada pela Apple para interromper nos Estados Unidos as vendas de vários smartphones da HTC), a famosa patente do “slide to unlock” (ou “deslizar para bloquear”), que colocou a Motorola em vários problemas na Alemanha, e “um método, sistema e interface gráfica de usuário para oferecer recomendações de palavras”.

Porém, a decisão da juíza não significa que a Samsung está mesmo infringindo essas patentes, mas sim que a mesma juíza está bem convencida de que há muitas possibilidade de que isso tenha realmente acontecido. E não só isso: tal como no caso do Galaxy Tab 10.1, a permanência do Galaxy Nexus no mercado “poderá causa um dano irreparável à Apple”.

É óbvio que a Samsung fará o que estiver ao seu alcance para recorrer da sentença, e manter o seu telefone no mercado até que uma decisão definitiva seja decretada. Mas se eles não conseguirem, o Android 4.1 Jelly Bean recebe um duro golpe, pois não terá o seu principal garoto-propaganda nos Estados Unidos. E isso é algo que o Google nem quer imaginar como cenário futuro.

A minha opinião, vocês já sabem. A Apple começa a se dar conta que não tem como competir “no braço” com o domínio do Android, que é o sistema dominante no mercado mundial. Logo, começa a “apelar”. Ao invés de concentrar os seus esforços, tempo e dinheiro na evolução do iOS (que é um sistema que parou no tempo em vários aspectos), vai para os tribunais, para tentar impedir no grito a presença dos seus adversários no mercado.

Ser “a melhor” desse jeito? Até eu!

Via The Next Web