E eis o Motorola Quench, ao vivo e em cores. De cara, o que podemos destacar é que ele não é tão grande quanto se imagina, ficando bem confortável nas mãos. Não dá pra ter uma comparação de tamanho com o seu primo distante da Apple (que logo lembramos quando vemos aparelhos neste formato), mas posso dizer ele fica firme e pegável nas mãos.

Ele é um aparelho relativamente fino (exstem modelos mais finos do que ele), que fica bem cômodo no bolso da calça. O modelo que testei ja tinha um sistema de bloqueio automático de teclado, que minimiza as chances de acidentes de acionamento de teclas. Em uma das laterais, você encontra o conector USB (já naquele modelo novo, que encontramos no Nokia N97) e os controles para volume do player musical e de toques de chamadas, além do zoom de câmera.

Na outra lateral, o botão para bloqueio de tela e botão dedicado para o acionamento de câmera.

Na parte traseira, podemos ver com mais detalhes a sua capa colorida, na cor vermelha. Eu imaginava pelas fotos um vermelho mais chamativo, voltado para o rosa. Vendo ao vivo, ele é um vermelho bem mais discreto e agradável. Se bem que prefiro ainda a capa na cor cinza, mais discreta e elegante. Esta capa protege bem a tampa original do aparelho, deixando apenas a câmera e seu flash LED expostos.

Infelizmente, não disponibilizaram nenhuma rede sem fio para testes de um dos principais atrativos do Motorola Quench: sua conectividade à redes sociais. Uma pena, pois gostaria mesmo de ver, na prática, como sua navegação na internet flui em sua tela, e como se apresentariam os seus recurosos se redes sociais.

Seus botões inferiores são botões mesmo, e não são touch, como pode se imaginar. É necessário pressionar mesmo o botão para ativar o recurso/função. Seus apenas 4 botões (além do direcional em forma de caixa) seguem a tendência minimalista dos aparelhos mais novos, que contam cada vez menos com botões/teclas de acesso no corpo do aparelho.

Sua tela é bem agradável de se ler, mesmo contra o Sol. As informações de tela são exibidas de forma bem nítida e clara, o que convida o usuário a ficar mais tempo trabalhando com o aparelho. Seus comandos de toque respondem muito bem ao usuário, e seu teclado QWERTY virtual pode ser apresentado nos modos retrato (vertical) ou paisagem (horizontal). As respostas do acionamento das teclas são boas, e mesmo para mim, que tem polegares relativamente grandes, ele identifica bem quais foram as teclas digitadas. Infelizmente, para o aparelho lançado no Brasil, não temos o recurso que, ao deslizar o dedo pelos caracteres do teclado virtual, a palavra se forma automaticamente.

Sua câmera reproduz o preview de imagens de forma muito próxima ao que vemos na realidade, e acredito que sua câmera de 5 MP seja o suficiente para aquelas fotos mais imediatas, que não podem esperar você retirar a máquina fotográfica da bolsa, ou da mochila.

Por fim, pelas primeiras impressões, acredito que o Motorola Quench pode ser uma boa opção sim para o público alvo da Motorola, que são os mais jovens e os conectados nas redes sociais. Vai competir com aparelhos com recursos similares e preços muito próximos no mercado nacional. Resta saber se os usuários vão se adaptar a um aparelho cujo perfil praticamente obriga à assinatura de um plano de dados flexível, para a utilização do máximo de recursos do aparelho.

Fica aqui o agradecimento ao marketing da Motorola pelo convite, e a espera do envio do aparelho para testes e futuro review, para o blog TargetHD.net