smart-tv-2015

Além de espetaculares modelos curvados, ultrafinos e com nanocristais, a CES 2015 deixou uma revolução nas TVs e em suas interfaces, já que as quatro principais fabricantes decidiram mudar de plataforma nas Smart TVs, com o objetivo de conquistar usuários. Tanto LG, Panasonic, Samsung e Sony apresentaram novos e renovados sistemas operacionais, que permitem explorar ainda mais da TV, seja consumindo via internet ou conectando a outros dispositivos da casa.

Quer saber quais são as opções de compra daqui a alguns meses? É só ler esse post, e começar a se decidir.

 

LG e o novo webOS 2.0

A LG é quem menos mudou nesse aspecto, apesar de uma atualização era tão necessária, que tem ares de mudança radical. A última geração de TVs apresentou a interface baseada no webOS, que surpreendeu a muitos, porém, os modelos que chegaram nas lojas apresentaram um funcionamento muito lento, o que frustrou a experiência.

Sabendo desse problema, a LG se esforçou em melhorar em 60% a velocidade dos menus e do arranque, de modo a oferecer uma Smart TV a altura das suas novas TVs.

 
 

O resultado é o webOS 2.0, uma versão que tem a mesma estética da geração anterior, mas é mais rápida e intuitiva. Alguns acessos diretos melhoraram, como no caso dos ajustes rápidos, que não ocupam tanto espaço de tela e permite realizar mudanças enquanto os resultados aparecem imediatamente. O mesmo ocorre com a seleção de fontes e os acessos diretos aos aplicativos instalados.

 

Panasonic e o Firefox OS

A Panasonic se esforçou em oferecer uma Smart TV completa e funcional, porém, se compararmos com os seus competidores, a interface que oferecia a Smart Viera estava bem longe de ser uma solução atraente para os usuários. A solução aqui responde pelo nome de Firefox OS.

O sistema oferece uma interface minimalista e muito bem cuidada, com funções interessantes como o envio de conteúdos a partir de dispositivos via navegador Firefox, a possibilidade de instalar aplicativos, ou receber alertas e notificações de outros dispositivos (ou eletrdomésticos) via Firefox OS.

 

O futuro ecossistema parece se comportar muito bem, ainda que para isso é preciso apostar muito forte no sistema operacional. Resta saber até que ponto a Panasonic e outros fabricantes vão incluir o Firefox OS em suas TVs.

 

Samsung e a sua aposta no Tizen

O movimento da Samsung é bem interessante. Hoje, a plataforma dos coreanos é a mais atraente e completa do mercado, com uma navegação que incluía controle por gestos e seções diferenciadas por conteúdos, mas ao que parece, eles captaram os planos de seus competidores.

O Tizen vai oferecer uma navegação mais rápida e leve, e sua interface será mais simples e minimalista, oferecendo um design que lembra (de forma inevitável) o que foi proposto pela LG com o webOS.

 

A plataforma se reforça com a incorporação do PlayStation Now, que permite a execução de jogos do PlayStation diretamente na TV, acessando ao serviço de jogos na nuvem da Sony.

 

Sony e o Android TV

A Sony foi quem mais surpreendeu nesse aspecto, deixando de lado sua One-Flick Entertainment para integrar o Android TV como sistema operacional principal. Essa mudança permitirá o abarcamento de muitas outras funções, como a do Google Cast, que vai replicar a imagem de dispositivos móveis sem a necessidade de conectar um Chromecast.

 

Também podemos executar comandos de voz, acessar a Google Play para alugar filmes, músicas e até instalar jogos que podem ser controlados com um controle sem fio, além de compartilhar fotos entre os familiares e amigos (até 10 dispositivos por vez).