Stephen Elop e Steve Ballmer. Já é de conhecimento público que eles já não formam um “casal feliz”. E isso acontece mesmo com Elop dizendo que a relação da sua empresa com a Microsoft é considerada “especial”.

A Nokia é sempre relutante e reticente em revelar os números de suas vendas relacionadas ao Windows Phone. E a Microsoft, apesar de afirmar que as vendas de smartphones com o seu sistema operacional terem quadruplicado em um ano, não colocam a fabricante finlandesa como principal responsável desse sucesso. Aliás, nem a considera como principal parceira, decidindo dividir o seu prestígio com “outras” (fabricantes… eita, povo com mente maliciosa!).

Bom, o que você faria no lugar da Nokia? Exatamente isso que você pensou: traição!

Na verdade, esse tom novelesco para as primeiras linhas desse post servem apenas para ilustrar como eu vejo esse cenário. Agora, vamos aos fatos. O pessoal do site Gizmodo encontrou que a Nokia publicou no seu perfil do LinkedIn que está buscando um engenheiro de software, que seria responsável pelo “desenvolvimento de drivers em hardware e software em Linux, para nossos novos e empolgantes produtos”. E, como vocês bem sabem, o Android é baseado em um kernel Linux. Ou seja, é bem possível que esse futuro engenheiro de software esteja envolvido no desenvolvimento de algum produto com o sistema operacional móvel mais popular do mundo.

Antes das pessoas dizerem que “não, isso é impossível… a Nokia gastou uma grana preta com essa parceria com a Microsoft…”, vale a pena lembrar que no meio do ano, Risto Siilasmaa, chairman da Nokia, disse com todas as letras que a empresa “tinha um plano B no caso do Windows Phone não ser bem sucedido com os seus telefones”.

De fato, Nokia e Microsoft não fecham uma parceria tão “sólida” assim. A prova disso foi o que aconteceu com o Nokia Lumia 900: não dá para a Nokia lançar um aparelho no segundo trimestre do ano, para que no trimestre seguinte, a Microsoft informe ao mundo que está lançando o Windows Phone 8 no final do ano, e que todos os telefones lançados até então não receberiam o sistema. Ou é muita falta de comunicação entre as duas partes, ou a Nokia foi teimosa mesmo. Você escolhe.

Além disso, fabricantes como Samsung e HTC acabaram lançando smartphones com Windows Phone 7.5 antes da própria Nokia, que deveria sim ser o carro-chefe do sistema. Senão, essa parceria “próxima” não serve para muita coisa, principalmente para a Nokia, que precisa recuperar a sua posição no mercado.

Então, eu penso que a Nokia está considerando sim a troca. Não pode perder mais tempo, até porque em mercados onde ela era líder no ano passado (Brasil inclusive) com o sistema Symbian, ela foi ultrapassada pelo Android com extrema facilidade. E, sem um sistema considerado popular, ela vai continuar mais para trás como marca. Lembrando: ao fazer isso, são mais dois anos que a Nokia perdeu apostando errado no mundo mobile (vamos contar os outros dois, onde estupidamente ela investiu no Symbian, Maemo e outros sistemas que não deram em nada).

Mas vamos esperar. Só o tempo vai dizer o que os finlandeses estão aprontando dessa vez.

Via BGR.com