essential phone

2017 foi o ano onde as telas full frontal ganharam o protagonismo nos smartphones. E, nesse aspecto, temos um vencedor numérico no quesito “melhor aproveitamento de tela”: o Essential Phone, smartphone da Essential, a nova empresa de Andy Rubin.

O Essential Phone tem a maior porcentagem de tela entre todos os smartphones, com 85% de área útil. Dos 28 modelos analisados pelo GSMArena, o modelo lidera o ranking que tem no seu top 5 o Galaxy S8+ (84%), o Galaxy S8 (84%), o iPhone X (83%) e o Galaxy Note 8 (83%).

Há quem defenda o formato por oferecer dispositivos mais compactos mesmo com telas maiores. Há que critique o formato, por mudar aspectos de design e deixar o dispositivo mais frágil em caso de quedas.

De qualquer forma, não podemos negar que o formato de smarphones com tela full frontal veio para ficar, e no caso do modelo da Essential, o detalhe do posicionamento da câmera pode ajudá-lo a se diferenciar dos demais fabricantes Android.

O iPhone X, por si, já é facilmente identificável. Com sua proposta de design, mais ainda.

 

 

Além disso, a Essential aposta em uma menor distribuição no mercado para oferecer um maior controle no desenvolvimento global do dispositivo, prometendo uma perspectiva de smartphones cada vez melhores com o passar do tempo.

Vale lembrar que este é o momento onde o mercado pode oferecer novidades nesse aspecto. E os pontos de maturidade de tecnologias podem levar anos para serem atingidos.

Por exemplo, o leitor de digitais nos smartphones apareceu em 2007, com o Toshiba G500, mas só começou a vingar depois que o iPhone 5s foi anunciado, em 2013.

Com as telas full frontal vai acontecer a mesma coisa. Se só agora em 2016-2017 começamos a ver dispositivos com bordas mínimas, no futuro isso será comum, e pode alcançar porcentagens ainda maiores que os 85% registrados pela Essential.

Onde podemos chegar em 2018? Não sabemos. Os fabricantes já resolveram o problema de seguir em frente sem um botão Home físico, sem falar que já ajustaram a localização e o tamanho da câmera frontal e dos demais sensores.

Logo, o futuro parece promissor nesse aspecto.

 

Via GSMArena