Em evento transmitido para todo o planeta via internet, a Microsoft apresentou de formo oficial a nova geração do Microsoft Office, pacote de programas de produtividade e escritório da empresa de Redmond. É hoje o produto que mais gera lucros para a empresa, sendo utilizado por aproximadamente 1 bilhão de pessoas no mundo. E o Office 2013 vem com uma missão muito específica: bater de frente com o Google Docs, que mesmo não sendo tão completo quanto a solução da Microsoft, vem sendo cada vez mais adotada pelos usuários que não necessitam de todos os recursos de um pacote de escritório, e com vantagens, pois é todo na nuvem, é simples, e é de graça.

Entre as principais novidades, vale a pena destacar o aprimoramento da interface e dos programas para uso em tablets, e sua grande integração com os softwares da suíte Office na Web. No evento realizado ontem (16) nos Estados Unidos, a Microsoft não quis falar de preços, e se concentrou em destacar os benefícios que a nova versão vai oferecer aos usuários. Os valores para o novo Office só serão revelados em setembro.

A Microsoft deixa claro que se empenhou ao máximo em integrar o Office aos seus próximos sistemas operacionais, o Windows 8 e o Windows Phone 8, com o objetivo de tornar o pacote de programas rápido e fluído, oferecendo uma experiência de uso mais intuitiva e funcional. Além disso, o Office poderá ser acessível a partir de múltiplos dispositivos, de qualquer lugar, a qualquer hora. Essa manobra é mais um claro exemplo que a Microsoft continua a integrar todo o seu ecossistema de produtos, reforçando o conceito do “tudo o que você usa no computador, você pode usar no smartphone ou tablet, e exatamente da mesma forma, sem mudar nada”.

Steve Ballmer foi o responsável por apresentar todas as novidades do novo Office, e afirmou que “este é um dos mais ambiciosos lançamentos da empresa nos últimos tempos”. Ballmer tem razão em fazer tal afirmação. Poucas vezes o pacote Microsoft Office teve uma modificação tão radical, e poucas vezes o feedback dos usuários se tornou tão fundamental para o desenvolvimento de um produto. Acredito que, nesse nível, só o Windows 8. E falando um pouco da parte visual do produto, pelo menos à primeira vista, a Microsoft fez um belo trabalho, deixando o Office mais bonito e amigável.

Ballmer ainda afirmou que o novo Office é pensado nos usuários que trabalham virtual e fisicamente com as conexões sociais. Ou seja, o Office terá recursos e ferramentas que auxiliam a integração com as redes sociais e comunicadores instantâneos, como o Skype. No novo Office, o usuário poderá conversar com outras pessoas durante a edição de um documento, enviar modificações em tempo real e inserir anotações e alterar documentos de forma colaborativa, entre outros recursos. Alguns desses elementos integrados já são encontrados no Google Docs, mas agora estão presentes no principal pacote de escritório do mercado.

O Office 2013 será parte integrante da versão RT do Windows 8, destinada aos computadores com arquitetura ARM, e isso inclui a versão para tablets, o Microsoft Surface, em versão Home and Student 2013. Outra importante mudança está no recurso de inteligência artificial no Excel, que pode “aprender” e reconhecer padrões e autocompletar dados sem a necessidade de formulários e macros, deixando todo o processo muito intuitivo.

Toda a interface dos aplicativos do Microsoft Office foi redesenhada, com alguns ajustes, como por exemplo a barra superior que passa a ser opcional, podendo ser personalizada pelo usuário, que pode colocar os botões mais utilizados em evidência. No PowerPoint, quando você precisar fazer uma apresentação utilizando um segundo monitor ou projetor, uma ferramenta permite que você controle os slides, se conectando com a audiência em tempo real, que pode mandar comentários sobre o que é apresentado diretamente na tela da sua apresentação. Mais interativo, impossível.

Outra mudança interessante está no Outlook. Agora, você pode ver de forma mais rápida os dados de um compromisso ou reunião, ou até mesmo analisar os detalhes de uma pessoa para quem você está enviando um e-mail, dispensando a necessidade de mudar de tela para ver esses dados. O usuário também contará com um aplicativo do Bing integrado ao Outlook, que pode mostrar os mapas com endereços do compromisso para onde você vai, permitindo que você organize todos os dados e informações necessárias para que você vá ao seu destino com segurança e sem margem para erros.

Já no Word 2013, merece destaque a melhor integração com os arquivos com padrão PDF, que poderão ser abertos diretamente no Word, além de poder coletar dados desses arquivos PDF para gerar gráficos, listas e tabelas. O comportamento dos arquivos PDF, na prática, será o mesmo de um documento do Word. E para tornar a sua personalização de documentos mais prática, você terá na tela de inicialização do Word os templates dos últimos documentos utilizados, caso você queira usar o mesmo padrão de documento para todos os seus arquivos futuros.

Ballmer ainda falou sobre o Office 365, ou o Office na nuvem, que foi lançado para ser uma alternativa para aqueles que querem contar com os principais recursos do Office, mas sem precisar instalar o pacote de aplicativos no computador. O recurso ganhou melhorias, como por exemplo a função de salvar os arquivos alterados no computador ou no Skydrive, permitindo que o mesmo aplicativo seja acessado sempre na última versão alterada por múltiplos dispositivos e por múltiplos colaboradores. Tal ferramenta é uma verdadeira mão na roda, e é uma vantagem em relação ao Google Docs, pois quando alteramos um arquivo no dispositivo no pacote do Google, e temos que enviá-lo para o GDocs, sempre acaba ocorrendo o famoso “conflito de versões”, principalmente quando mais de uma pessoa altera esse arquivo. A promessa do Office 365 integrado ao Office 2013 é que ele faça tudo automaticamente, mantendo a versão atualizada das alterações combinadas entre os usuários.

Para isso, o sistema vai ter acesso a um recurso chamado “documentos que eu sigo”, que é uma espécie de feed de notícias que funciona pelo aplicativo Share Point, que vai utilizar a arroba (ou a “@”) em conjunto com o nome de usuário para respostas sobre as modificações dos documentos, e as hashtags (ou “#”), para temas seguidos pelos usuários. Afinal de contas, se o software quer ter uma abordagem mais “social”, nada melhor do que adotar a mesma codificação que os usuários estão habituados a usar no dia a dia conectado.

Foram dois anos até que o Office 2013 (ou Office 15) fosse apresentado. O Office 2010, que começou a ser vendido em julho de 2010, iniciou uma proposta da Microsoft de integrar o pacote de escritório a vários usuários, sendo assim um produto de trabalho colaborativo. E a ideia é que esse conceito continue e seja aprimorado ainda mais no Office 2013. Essa é a primeira versão do Microsoft Office que terá uma versão para revisões técnicas antes do seu lançamento, o que reforça a nova proposta da Microsoft de ouvir os seus usuários antes de lançar a versão final do produto. Isso foi adotado no Windows 7, e deu muito certo. Está se repetindo no Windows 8, e pelo o que vimos até aqui, o sucesso vai se repetir. Acredito que o Office 2013 será um sucesso, pois vai ser a “cara” do consumidor, refletindo aquele que ele mais deseja ver no pacote de aplicativos.

Para fazer o download da versão Preview do Office 2013, clique aqui.