HTC-One-Mini

O mundo é assim: as tendências aparecem, desaparecem, e retornam de tempos em tempos. No mundo da tecnologia, isso não é diferente, principalmente no segmento de telefonia móvel. Se o mundo é cíclico, as tendências de design dos smartphones são mais cíclicas ainda.

No começo, o celular era gigante (alguns deles eram chamados de “tijolo”, e não era nenhum exagero, uma vez que quando arremessado em alguém, o potencial destrutivo era o mesmo nos dois casos), e com o passar do tempo, eles foram diminuindo de tamanho, conforme permitia a tecnologia na época. Depois, vieram os dispositivos com tela sensível ao toque, e o tamanho do smartphone começou a crescer, a ponto de uma nova modalidade nascer, o “phablet”.

Agora, com o lançamento do HTC One Mini, podemos dizer que começa uma nova tendência de miniaturização do smartphone, mas com algumas características bem específicas.

A boa notícia nessas mudanças todas é que vemos como a maioria dos usuários se adaptam rapidamente aos diferentes tamanhos de tela oferecidos pelo mercado. Começando pelo iPhone, que quando foi lançado em 2007, oferecia uma tela de 3.5 polegadas, que muitos consideraram grande o suficiente para uma interação plena com a sua interface. De lá para cá, o tamanho de tela ideal só aumentou (em média, 0.5 polegada a cada dois anos), principalmente com a chegada das telas com alta resolução.

O expoente máximo dessa tendência de crescimento de tela é a Samsung, que tem modelos de tudo quanto é tamanho, incluindo modelos com telas de até 6.3 polegadas. Mas, de um modo geral, a tendência do momento é a tela de 5 polegadas para a maioria dos dispositivos (incluindo o Galaxy S4 – tá, alguns falam que esse modelo possui 4.99 polegadas de tela…).

Smartphones que nas fotos publicitárias parecem grandes e desajeitados na primeira vez que utilizamos, se tornam gadgets bem manejáveis com poucas horas de uso. Eu mesmo saí do iPhone, que não me parecia pequeno em 2011, para ir para um Nexus 4, que ao meu ver, tem um tamanho de tela ideal. Hoje, o iPhone (mesmo que seja o iPhone 5) tem uma tela pequena para as minhas necessidades.

Porém, eu tenho mãos e dedos grandes. E para aqueles com mãos pequenas? Alguns fabricantes (a.k.a. Samsung) reduzem o tamanho de alguns modelos para alcançar os usuários que não querem modelos tão grandes no seu tamanho, mas quando fazem isso, reduzem as especificações técnicas do produto junto. Quer dizer, quem quer um smartphone pequeno não tem o direito desse smartphone ser potente? É isso?

Tudo indica que sim. O HTC One Mini, que apareceu em fotos vazadas na web semana passada não é ruim em suas especificações, mas não são as mesmas especificações do HTC One. Já falamos da Samsung, cujo Galaxy S4 Mini fica abaixo do esperado, se comparado com o Galaxy S4. Na verdade, para os fabricantes, o que importa aqui não é oferecer as mesmas especificações técnicas, mas sim vender o nome e o conceito do produto maior em um modelo de dimensões menores e recursos limitados.

De qualquer forma, um HTC One Mini ou um Sony Xperia ZR são propostas melhores que um Galaxy Mini da vida. Mesmo assim, a ideia é a mesma: lançar um smartphone pequeno de linha média e nada mais. Aproveitar tudo o que há de bom nos modelos maiores (HTC One, Xperia Z) e reduzir o tamanho e algumas especificações, mas não muito. Se limitar demais, ele pode virar um smartphone qualquer.

Nesse sentido, o que podemos considerar como “mini” no mundo dos smartphones?

Utilizar o termo “mini” como ponto de diferenciação é apenas uma convenção. Um smartphone com tela de 4 polegadas não é algo “pequeno”. Sem falar que essa terminologia pode se tornar um calcanhar de Aquiles com o passar dos anos. Se os fabricantes lançarem modelos de linha média com 3.5 polegadas ou 3 polegadas, qual será a denominação? Micro? Nano?

Por fim, no meio do caminho, temos a Apple com o iPhone 5, que não é nem grande, nem pequeno. Ele é estreito (algo que me incomoda). Mas com os rumores de um iPhone Mini mais barato, até eles podem entrar na regra desse post. Mas é sempre bom lembrar que o iPad Mini virou um sucesso lá fora por causa da nova proposta de design e tamanho reduzido. Quem sabe não acontece o mesmo com o seu smartphone.