É, amigo… pense duas vezes antes você clicar em um link no Twitter, ou acessar uma página suspeita na web. Você pode ser a próxima vítima de um crime cibernético. Um novo estudo feito pela Norton revela que dois terços dos usuários de internet no mundo (ou 65%) podem estar a um clique de serem vítimas de cibercriminosos. Além disso, o estudo revela que 73% dos usuários da web nos EUA tornaram-se vítimas desses crimes, seja em infecção de vírus, fraudes online com cartão de crédito e roubos de identidade, sendo que no Brasil, o nível de ameaça chega aos assustadores 76%.

O Relatório de Crimes Cibernéticos da Norton é o primeiro estudo a examinar o impacto emocional do crime cibernético. Ele mostra que as reações mais fortes das vítimas são os sentimentos de raiva (59%), irritação (51%) e traição (40%) e, em muitos casos, elas se culpam por terem sido atacadas. Somente 3% não consideram que isso vai acontecer com eles, e cerca de 80% não esperam que os criminosos cibernéticos sejam levados à justiça – resultando em uma relutância irônica em agir e uma sensação de impotência.

Mesmo com a carga emocional, das ameaças e dos incidentes de crimes cibernéticos, as pessoas ainda não estão mudando os seus comportamentos –  com somente metade (51%) dos adultos afirmando que mudariam seu comportamento caso se tornassem vítimas. Ainda mais assustador é o fato de menos da metade (44%) dos entrevistados ter reportado o crime à polícia.

Solucionar o crime cibernético pode ser algo muito frustrante. De acordo com o relatório, são necessários cerca de  28 dias em média para solucionar um crime cibernético e o custo médio é de US$ 334. A pesquisa aponta que 28% dos consultados afirmaram que o maior incômodo que enfrentaram ao lidar com o esse tipo de crime foi o tempo que levou para solucioná-lo.

O aspecto do “impacto humano” do relatório vai mais fundo nos pequenos crimes ou mentiras inofensivas que os consumidores contam para seus amigos, família, entes queridos e empresas. Cerca de metade dos entrevistados consideram legal baixar musica, álbum ou filme sem pagar. 24% acreditam ser legal ou perfeitamente aceitável ver secretamente os e-mails ou histórico de navegação de outra pessoa. Alguns desses comportamentos, como baixar arquivos, expõe as pessoas a ameaças de segurança adicionais.

Para mais informações, acesse: Relatório de Crimes Cibernéticos da Norton: O impacto humano.

via assessoria de imprensa