apple-itunes-radio

O pessoal do Wall Street Journal teve acesso aos termos e condições financeiras estabelecidas entre a Apple e as gravadoras da indústria fonográfica em torno do seu serviço iTunes Radio.

A matéria revela que a Apple via pagar US$ 0.13 mais 15% dos lucros de publicidade para as gravadoras por cada canção reproduizda em seu serviço. Esse valor é correspondente ao primeiro ano. No segundo ano do acordo, o valor aumenta para US$ 0.14 mais 19% dos lucros de publicidade. Se os números são frios, basta compararmos com os rivais e veremos o alcance da oferta da empresa de Tim Cook.

O Pandora paga US$ 0.12 por música. Com a Apple pagando mais do que isso, sem falar no valor acumulado em publicidade, e com parcerias fechadas com as principais gravadoras da música, não é difícil de se imaginar que o pessoal de Redmond chega para brigar pela liderança.

Mesmo assim, a Apple impôs alguns condições para as gravadoras: reproduções inferiores a 20 segundos não serão pagas, músicas que já estão na biblioteca do usuário da iTunes também não serão pagas, assim como algumas canções promocionais. Tais condições colocam os demais serviços em desvantagem, e a Pandora já se manifestou sobre o assunto, considerando injusto comparar os dois serviços, uma vez que eles contam com políticas diferentes para pagamento dos royalities.

O Wall Street Journal também informa que a Apple entende que o principal objetivo da iTunes Radio deve ser um estímulo para que os usuários comprem mais músicas na iTunes, o que por sua vez faria com que as vendas de hardware (iPhones e principalmente iPods) aumentassem e, por consequência, aumentaria os lucros do iAd, ferramenta de publicidade para os dispositivos móveis da Apple. Ou seja, um ciclo de lucros vinculados.

Via WSJ.com