650_1000_lenovo-yoga-3-pro

A Lenovo sofreu uma crise de reputação por conta do caso Superfish. Apesar da empresa oferecer a devida atenção ao caso – muito em conta a cobertura de mídia dada ao problema geral de segurança em questão -, oferecer a solução de remoção (manual e automática) do software não é o bastante. Eles querem mudar a filosofia de pré-instalação de softwares em seus dispositivos, para evitar incidentes semelhantes no futuro.

Peter Hortensius, CTO da Lenovo, dá mais detalhes sobre o assunto. Ele explica que a Lenovo começou a instalar o Superfish em setembro de 2014 em alguns portáteis de sua linha de consumo, mas que ‘este software frustrava alguns usuários sem adicionar valor à experiência de uso’, de modo que eles estavam em processo de eliminação do recurso quando o problema veio à tona.

Por enquanto, e além de eliminar os programas pré-instalados dos equipamentos recém fabricados, eles conversaram com a Microsoft, McAfee e Symantec para que seus softwares de segurança detectem e eliminem o Superfish de forma automática nos equipamentos que utilizam suas soluções, tanto aqueles que estão em uso ou que não foram ativados. A Lenovo também explica que o Superfish será eliminado também da cópia de recuperação do sistema operacional, com uma simples varredura do antivírus.

E como evitar que isso volte a acontecer no futuro?

Além de trabalhar com especialistas de segurança e levar em conta a opinião dos seus clientes, a Lenovo explora a possibilidade de reduzir o número de programas pré-instalados nos computadores, criando ‘uma imagem de um PC mais limpo’. A empresa promete dar mais detalhes sobre esse tema no final dessa semana.

Chama a atenção o fato da Lenovo repetir por diversas vezes o pedido de desculpas aos seus usuários ‘pelas preocupações causadas em seus clientes’, mas em nenhum momento pedem desculpas pela falha em si. Lembram que estão trabalhando para solucionar o problema e devolver a fé na Lenovo.

Teremos que esperar para ver se eles conseguem consertar o estrago.

Via Lenovo