171198-digital-life-tech-test-big-phones

No Brasil, o 4G ainda não é uma realidade, e ao redor do mundo, essa conectividade de internet ainda é assimilada pela maioria. Mas na Coreia do Sul, novas velocidades já são pensadas. Por lá, eles já pensam na rede que pode ser chamada de “5G”.

O governo coreano, com o ministro da tecnologia como porta-voz, informou que será feito um investimento inicial de US$ 1.5 bilhão para o desenvolvimento e montagem da infraestrutura necessária para a implantação da citada rede “5G” em 2020. Eles falam de uma rede que seria (na teoria) até 1.000 vezes mais rápida que a atual rede LTE local, permitindo um download de um filme de 800 MB em apenas um segundo. Apenas para comparação: as atuais redes das operadoras locais permitem o mesmo download em 40 segundos, em média.

O cenário é o melhor possível para evoluir essa tecnologia, levando em consideração que o país conta com as redes de alta velocidade mais avançadas do planeta. 78% dos coreanos utiliza smartphones (o país tem 50 milhões de habitantes), e entre os usuários na faixa entre 18 e 24 anos de idade, a porcentagem sobe para 97%.

O governo tem claro que não faz nenhum sentido desenvolver essa rede sem a ajuda das operadoras e dos fabricantes de dispositivos móveis. Logo, LG e Samsung estão envolvidas nesse desenvolvimento. Um dado interessante sobre a indústria mobile coreana: eles contam hoje com 30% do mercado mundial de smartphones, mas apenas 4.4% do mercado de infraestrutura de redes. A ideia do governo é que, no final dessa década, essa segunda porcentagem suba para 20%.

A principal rival do governo coreano nessa empreitada? A China, é claro. Ou melhor, a Huawei.

Via Guardian