Tuukka Ojala é um jovem finlandês desenvolvedor de software, músico, viciado e leitura e amante de um bom chá. Ah, sim… além disso, é cego.

Recentemente, ele explicou como ele consegue trabalhar como programador.

Tuukka utiliza um ambiente de trabalho muito especial, com teclado e tela, mas sem um mouse. Um leitor da tela permite que ele veja o que está acontecendo com os seus aplicativos abertos. O locutor da tela lê tudo na vertiginosa velocidade de 450 palavras por minuto (o ser humano normal fala entre 120 e 150 palavras por minuto).

Para trabalhar, ele usa o Windows 10 com um software adicional, que é quem faz a mágica toda. O programa que permite a interação com seus dispositivos para programar é o leitor de tela, que apresenta a informação em uma tela braile em separado, mediante uma voz sintetizada. Nesse caso em específico, o software é o NVDA, um aplicativo Open Source.

 

 

A voz faz uso tanto do finlandês como do inglês para transmitir para Tuukka todas as informações necessárias, mudando de idioma de acordo com a situação. O impressionante de tudo isso é o software sintetizar a voz a 450 palavras por minuto.

Outra curiosidade singular é que, para seu ambiente de trabalho, o Windows é melhor que o macOS ou Linux, onde Tuukka considera o Windows “o sistema operacional mais acessível que existe.”

Mas ele confessa que o macOS há um equilíbrio fantástico entre usabilidade e funcionalidade, mas o VoiceOver não funciona e nem se adapta o suficiente bem ao seu modo de trabalhar.

Ele também menciona um leitor de tela para o GNOME no Linux, mas apesar do seu bom comportamento, ele também não se ajusta a tudo o que ele necessita. E ele compensa que as deficiências do Windows na parte das linhas de comando – já que ele trabalha quase que em 100% sem precisar de um ambiente visual – graças ao uso do Git Bash, que inclui várias utilidades e comandos GNU.

Em resumo: surpreendente, admirável e fantástico!

 

 

 

Via Vincit Blog