Hoje em dia é comum você receber publicidade relacionada aos itens que você pesquisou recentemente na internet. Mas no caso das sugestões de amigos no Facebook, isso ainda é um mistério a ser desvendado.

Além de tentar nos extorquir para promover artigos, o Facebook tem uma habilidade especial para fazer com que os usuários sigam utilizando a plataforma pelo maior tempo possível. Parte disso passa por garantir que o usuário tenha amigos com quem interagir. E o Facebook faz isso com sugestões regulares de “pessoas que talvez você conheça”.

Essas sugestões de vez em quando podem juntar pessoas que apenas se cruzam momentaneamente ou que nunca tiveram um contato real, ou pessoas que não se viam há décadas. O sistema pode ser bem útil, mas é algo muito perturbador.

Como o Facebook faz essas sugestões?

O algoritmo é um segredo bem guardado que o Facebook não revela, mas que envolve inúmeros fatores, incluindo a localização do usuário e sua rede de contatos. Esse último fator é um ponto bem discutível. Isso pode dar ao Facebook informações que os usuários não querem revelar por conta dos seus amigos.

Semelhante ao que fazem os sistemas de identificação de chamadas, o Facebook pede aos usuários que compartilhem a sua lista de contatos com a plataforma para “encontrar os seus amigos”. Ou seja, mesmo que você não tenha liberado o seu telefone, muito provavelmente algum amigo seu já forneceu esse dado, respondendo a um “sim! ao pedido da rede social.

Sem falar no fato do Facebook se recusa a dizer se tem esses dados sobre os usuários, por considerar que isso seria uma invasão de privacidade com a pessoa que originalmente compartilhou o nosso número.

Com toda essa rede de informação, é fácil entender como são feitas as sugestões de amizades feitas. Basta um número razoável de compartilhamentos entre diferentes usuários, e pronto: já há uma relação entre pessoas que sequer se conhecem.