discos rígidos

 

Os mais veteranos no mundo da informática seguem atualizando suas unidades de armazenamento por modelos de maior capacidade e desempenho, normalmente substituindo os discos rígidos por SSDs. Logo, os velhos HDs ficam parados.

E, mesmo com várias soluções de armazenamento externo, utilizar os velhos discos rígios é uma forma simples e econômica de ter um backup adicional.

Nesse post, damos todas as dicas para fazer uma conversão de um HD interno para um HD externo, que exige basicamente a compra de um adaptador que faz o trabalho sujo.

 

 

Tamanho e interface dos discos rígidos

 

 

Levando em conta que o seu disco rígido está em bom estado, a primeira coisa a considerar é o seu tamanho e a interface.

O mais comum é ter um disco nos padrões de 3.5 e 2.5 polegadas. Os primeiros são usados em desktops, e os discos de 2.5 polegadas são comuns em notebooks.

Nos dois casos podemos aproveitar os discos para criar unidades externas, mas os destinados aos notebooks exigem uma atenção à espessura para a compra do case, levando em conta que podemos encontrar de 12.5, 9 e 7 mm.

 

Os de 7 mm são os mais adequados para a mobilidade, por conta do seu mentor tamanho e peso. Os demais oferecem uma maior capacidade de armazenamento.

Sobre a interface, podemos encontrar discos no padrão mais antigo, o IDE, que dominou o mercado entre os anos 80, 90 e o começo dos anos 2000, ou também no padrão SATA, mais moderno, que chegou em 2003. A segunda opção oferece maior desempenho.

 

 

Interface Externa

 

 

Na hora de comprar o case, também leve em consideração a interface externa, de conexão: USB, FireWire, eSATA e Thunderbolt.

A eSATA é muito rápida, mas não está disponível em muitos computadores. O mesmo podemos dizer da Thunderbolt. Já a FireWire é a opção para unidades que vão trabalhar com equipamentos Apple.

Logo, a escolha natural para a maioria dos usuários será a porta USB, que possui maior compatibilidade e desempeno razoável a partir da USB 3.0. Sobre o conector, podemos encontrar adaptadores com o tamanho padrão, micro ou uma combinação dos dois.

 

 

Oferta de adaptadores

 

 

A oferta é muito ampla, com preços para todos os bolsos.

O mais simples de todos se resume a um cabo que se conecta à interface (e alimentação) de um disco rígido à uma porta externa de um desktop ou notebook. É meio “gambiarra”, de modo que só é recomendado o seu uso em casa.

O passo seguinte é comprar um dock onde conectamos os discos. Geralmente tem várias baias para discos de 2.5 ou 3.5 polegadas. Sua instalação é bem simples e dispensa o uso de ferramentas. Também é focado para o uso doméstico ou em escritórios, mas pode ser transportado se você quiser.

 

 

A terceira opção é o dock em forma de chassi fechado que abriga o disco rígido. a

Basta retirar alguns parafusos, e o circuito interno já está no seu interior. Há versões para discos de 3.5 e 2.5 polegadas, e são a melhor solução para quem precisa de mobilidade.

 

 

Como pode ver, temos várias soluções que aproveitam os discos velhos e abandonados, dando uma sobrevida aos mesmos.

Seja para atuar como unidade de armazenamento externo, para cópias de segurança do PC ou para o uso com consoles ou smartphones, soluções avançadas para NAS, como mídia de instalação de sistemas operacionais ou uso com media center para conteúdos multimídia.

Tudo depende de sua necessidade.