Thomas Bach, presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), confirmou que as portas estão abertas para o eSports entrar nos Jogos Olímpicos.

Porém impôs uma condição que não é negociável: os jogos não podem ser violentos:

“Promovemos a não discriminação, a não violência e a paz entre os povos, algo que não corresponde com os videogames com violência, explosões e mortes, de modo que é preciso ter um limite nesse sentido”.

Logo, os jogos de ação bélico como Counter Strike ficariam de fora. Mas devemos levar em consideração que a restrição é tão específica, que apenas os jogos esportivos e de simulação poderiam participar dos Jogos Olímpicos.

Nem mesmo jogos mais “inocentes” como League of Legends e Overwatch poderiam entrar, já que incluem “mortes” e uma certa dose de violência. É necessário que o COI defina de forma mais precisa a ideia de “violência e morte” nos videogames (na visão deles).

De qualquer forma, o mais importante é que o COI deixa as portas abertas para os eSports se integrarem aos Jogos Olímpicos, e que será necessário elaborar regras específicas e controles anti-dopagem para ingressar no programa olímpico.

 

Via Francs Jeux