steve-jobs1

Eu me lembro onde eu estava quando recebi a notícia da morte de Steve Jobs em 2011. Eu estava no supermercado, fazendo as compras do mês. Me lembro que tive que voltar correndo para casa para escrever sobre o assunto. E, curiosamente, eu não publiquei essa notícia no TargetHD.

Apenas modifiquei a barra superior de links do blog, com um atalho para a página inicial da Apple, que por alguns dias exibiu essa foto, com o ano de nascimento e morte do executivo.

Eu não quis escrever sobre esse assunto. Achava que o TargetHD não era o espaço para uma notícia tão chata.

Hoje, cinco anos depois de sua morte, consigo escrever melhor sobre esse tema, e como a Apple está depois desses cinco anos.

 

A Apple seguiu em frente…

Hoje a Apple ainda é uma empresa de tecnologia muito forte. Tudo bem, tem algumas posições controversas, como depender metade dos seus lucros pelas mão de um único produto – iPhone. Mesmo assim, é empresa pra ninguém botar defeito.

Levou quase dez anos para que o iPhone registrasse quedas nas vendas, e por conta de diversos fatores: mercado saturado, crise econômica mundial, o mercado de linha média forte, a concorrência… e, mesmo assim, o smartphone da Apple continua a ser a referência.

Apesar dos mercados de computadores e tablets apresentarem sinais de quedas, o MacBook ainda mantém uma posição respeitável, e o iPad é um dos campeões de vendas em seu segmento.

O Apple TV se reinventou, se tornando um dispositivo de entretenimento mais versátil. O iOS se tornou um sistema operacional móvel maduro, o macOS ainda é referência entre os desktops, a App Store é a loja de aplicativos mais lucrativa do mundo, o iTunes ainda rende lucros e dita regras…

Enfim, a Apple seguiu em frente. Muitos podem questionar as posturas de Tim Cook, mas a verdade é uma só: a empresa ainda está nos trilhos e relevante.

 

…mas não se esqueceu completamente de Steve Jobs

Hoje, a Apple e mais a cara de Tim Cook do que a de Steve Jobs. É uma empresa mais flexível na sua visão de mercado. É uma empresa que tomou decisões que Steve Jobs jamais aprovaria, mesmo com a evidência mudança de tempo.

Porém, Tim Cook decidiu seguir duas das grandes filosofias de vida de Jobs: seguir o seu coração e seguir a sua intuição.

Longe de mim ser como Steve Jobs, mas confesso que desde que comecei a escrever sobre tecnologia na internet pelo TargetHD eu passei a compreender o que isso quer dizer.

Sigo muito minha intuição para o blog e para as decisões da minha vida. E ouço o meu coração para empregar os meus esforços e recursos em tudo o que eu faço.

Tim Cook fez o mesmo.

Certo ou errado, seguiu essas lições. E manteve a Apple nos trilhos. Relevante. Isso é o que realmente falta.

Steve Jobs faz falta. Mesmo.

Posso até achar que a Apple deixou de ser inovadora. Mas acho que isso não aconteceu por conta da ausência de Jobs.

Mas uma coisa é certa: sem Steve Jobs, falta muita coisa.

Que ainda não sabemos o que é.