Nintendo 64 Mini Classic

 

Muitos já pensam nisso. Um Nintendo 64 Mini Classic seria o fechamento de um ciclo.

Porém, há quem diga que é inviável, e os argumentos são sólidos. O primeiro é o mais óbvio: seu catálogo é inferior em quantidade e qualidade em relação aos seus predecessores e aos seus concorrentes.

Além disso, é um clássico, sim. Mas que marcou um movimento de queda para a Nintendo. E não sabemos se eles querem se lembrar disso.

Outro detalhe importante é a dificuldade em recuperar certas licenças, como dos jogos da Rare (hoje de propriedade da Microsoft), desenvolvedora de games como Perfect Dark e Banjo-Kazooie. Sem falar em franquias da própria Nintendo que estão licenciadas para terceiros (GoldenEye 007, Donkey Kong 64 ou Diddy Kong Racing).

 

zelda n64 - Chegaremos a ver um Nintendo 64 Mini Classic?

 

Outro fator de dificuldade está nas reedições de jogos, que se estenderia aos clássicos da Nintendo, incluindo Super Mario 64 e The Legend of Zelda: Ocarina of Time. Os dois jogos foram reeditados para outros consoles da empresa, o que diminui o interesse na inclusão de um hipotético N64 Mini. E são poucos os jogos de terceiros que despertariam o interesse do grande público.

Esse último item nem era necessário. A base de jogos da Nintendo para o Nintendo 64 era fantástica, mesmo com as ausências da Rare: Super Mario 64, Paper Mario, Mario Party, Yoshi’s Story, The Legend of Zelda: Ocarina of Time, The Legend of Zelda: Majora’s Mask, Donkey Kong 64, Diddy Kong Racing, Kirby 64, Star Fox 64 (Lylat Wars), Super Smash Bros., F-Zero X, Pilotwings 64, 1080º Snowboarding, Animal Crossing… só aí são 15 jogos que fariam muita gente feliz.

 

n64gp - Chegaremos a ver um Nintendo 64 Mini Classic?

 

Por fim, um dos argumentos mais relevantes contra o lançamento de um Nintendo 64 Mini Classic: o controle, que foi revolucionário e horrível ao mesmo tempo.

Introduzir o stick analógico e o motor de vibração foi ótimo, mas seu design é horrível, e os problemas de bloqueio do stick são antológicos. É um agridoce que custaria caro para a Nintendo replicar.

Fato é que, nesse momento, é difícil dizer se veremos um Nintendo 64 Mini Classic, e nem sabemos se tais argumentos são contundentes. Um produto como esse é para um público dirigido, e preço nunca é problema, desde que seja algo razoável.

Se chegar ao mercado, pode ser o fim de um ciclo perfeito, além de ser um negócio altamente lucrativo.

Se bem que sem os jogos da Rare fica complicado agradar os fãs.