Os presentes começaram ouvindo música clássica, enquanto esperavam a entrada de Mikio Katayama, CEO da Sharp, que sobe ao palco. Ele diz que está lá para apresentar 3 inovações: TVs, energia e ambiente. Sobre as inovações das telas, eles olham para o passado. Em 2000, a Sharp foi a primeira companhia com telas LCD. Em 2010, eles inovam com a UV2A, que é mais do que uma televisão.

A grande novidade é a tecnologia QuadPixel, que inclui a cor amarelo aos pixels, junto das cores vermelho, verde e azul. Também mostram as TVs AQUOS LED, que são muito brilhantes, com imagem limpa. As AQUOS LED produzem até um trilhão de cores, e a Sharp acredita que as tecnologias UV2A, LED e QuadPixel fazem das suas TVs as mais inovadoras do mercado.

As telas de Crystal Si PV emitem apenas 4W de energia, enquanto que as Thin Film emitem 140W. Agora, a Sharp pode produzir produtos melhores, que aproveitem a energia do Sol, tudo graças à nova fábrica da empresa, em Sakai, movida a energia solar. A tecnologia Thin Film Silicon são muito mais eficientes do que a Thin Film de semicondutores. Deste modo, a Sharp contribui para uma sociedade mais verde, com inovações para contribuir para um meio ambiente melhor e, consequentemente, melhorando a vida das pessoas.

Eles informam ainda que a tecnologia desenvolvida pela Sharp pode trazer melhorias para o ar, e reduz as bactérias e vírus presentes no local, e que suas TVs podem ajustar o brilho e cor, dependendo da luz presente nos lares. Mostram um painel com LEDs, que se ajustam automaticamente, ou através do controle remoto. As cores mudam entre amarelo e branco através do controle.

Energia.

Para a Sharp, os avanços da energia solar são questões importantes. A Sharp negocia com companhias provedoras de eletricidade para instalar suas fábricas de painéis solares. Suas lâmpadas em LED são 80% mais eficientes do que as atuais, oferecendo LEDs para interiores e exteriores, incluindo algumas que usam energia solar e, em 2010, esperam que esta indústria melhore significativamente.

Em 2012, mais de 80% dos televisores virão com retro iluminação em LED. As telas AQUOS medem apenas 1,6 polegadas de espessura, e a tecnologia QuadPixel pode oferecer cores nunca vistas antes nas TVs.

Seguem falando sobre a tecnologia QuadPixel, apresentando argumentos para justificarem sua superioridade diante dos rivais. No palco, Bob Scaglione, vice-presidente da Sharp America. Ele diz que suas telas são cada vez maiores, mais brilhantes, e agora, com QuadPixel, são mais claras. Eles esperam vender as TVs com LCD QuadPixel na primavera norte-americana (entre abril e junho).

Seguem falando que a sua TV Full HD com tela X-Gen e retro iluminação LED oferece melhores cores, e o tom em preto mais acentuado. Oferecem melhor contraste, o que resulta em uma melhor cor, e conexão com a internet. Além disso, com o serviço Twitter pela Sharp, os usuários poderão se conectar na rede social pela televisão.

As TVs HDTV das séries LE820 e LE810 oferecem 120 Hz, 4 cores de píxels, espessura de 1,6″ e sairá para vendas em março. Em 2010, a Sharp vai colocar a disposição do consumidor 8 telas em LED.

Já a LC-60E800 sai à venda no próximo mês.

Agora, o assunto é o player de Blu-ray, o BD-HP70U, que oferece conectividade com o Netflix, duas portas USB e som DOLBY trueHD. Usa apenas 14 W quando está em funcionamento. Já o modelo BD-MPC41U pode reproduzir CDs, DVDs, Blu-ray e som de 5.1 canais.

O evento se encerra, com a Sharp enfatizando que é a primeira a usar a tecnologia QuadPixel. É aberto um espaço para perguntas e respostas aos executivos da empresa.

Minhas impressões:

A Sharp foi para um rumo diferente das demais nesta apresentação na CES 2010. Não se focaram tanto em enaltecer inovações e recursos 3D, mas valorizaram a tecnologia de imagens, e valorizaram a experiência que as pessoas podem ter ao ver TV, no que se refere a imagem no seu estado puro. A tecnologia QuadPixel é sim uma grande novidade técnica, além do fato que a Sharp quer expandir suas localizações físicas, trazendo soluções verdes para o mercado. É possível que eles possam se dar bem sim, mesmo indo na contra mão das tendências que todos os outros querem apresentar.

Fonte