650_1000_blackberry10

Em carta enviada ao Congresso dos Estados Unidos sobre a neutralidade da internet, o CEO da BlackBerry, John Chen, afirmou que ‘todos os clientes de conectividade móvel deveriam ter acesso a qualquer aplicativo e conteúdo legal que deseja, e os provedores de aplicativos e conteúdo deveriam ter proibida a discriminação, baseando-se no sistema operacional do consumidor’.

Na missiva, Chen destaca que a BlackBerry oferece o BBM para todas as plataformas, mas outras empresas não seguem o mesmo exemplo. Cita a Apple (com o iMessage) e a Netflix, que não possui um aplicativo para o sistema dos canadenses. ‘Muitos outros desenvolvedores de aplicativos oferecem seus serviços apenas para usuários do iPhone e Android’, declara Chen.

De acordo com suas palavras, isso criou um ecossistema móvel de ‘dois níveis’: de um lado, iPhone e Android, e do outro lado, os demais. Chen alega que tal prática é discriminatória, algo que os defensores da neutralidade criticam, e por isso pede aos legisladores obriguem também a neutralidade de aplicativos e conteúdo.

O BlackBerry OS, tal como acontece com outros sistemas minoritários, está tendo problemas para expandir o seu catálogo de aplicativos. Quando o BlackBerry 10 foi lançado, a empresa incentivou a criação de aplicativos com dinheiro, mas o resultado não foi tão bom quanto o imaginado: poucos apps foram portados. Hoje, é possível instalar apps Android, e a empresa possui um acordo fechado com a Amazon Appstore.

Via BlackBerry