Candy Crush

Candy Crush (King) completou cinco anos sendo um jogo único para viciar usuários. Um jogo tão simples de combinação de doces, que foi tão longe.

Hoje, ele é um dos pilares da King em receitas, com números impressionantes.

Candy Crush estreou no Facebook em abril de 2012. No começo, era um jogo de navegador integrado, mas não demorou para se tornar um game independente, com forte presença nas plataformas móveis.

Em 14 de novembro de 2012, o jogo foi lançado para iOS e Android. E o resto é história.

Um sucesso instantâneo, vários spin-offs, e a galinha dos ovos de ouro da King deixava de ser um jogo para se tornar um conceito. Uma fórmula de sucesso.

 

 

Em 2016, Candy Crush superou os 2.000 níveis (no momento em que esse post foi produzido, são 2.840). A ideia é que você jogue sem parar, e em partidas curtas, que ocupam qualquer espaço livre na sua agenda.

Hoje, o jogo tem mais de 70 milhões de seguidores na sua página do Facebook, que gastam aproximadamente 36 minutos por dia no game. Um feito que abriu os olhos de muitos desenvolvedores sobre a forma de capitalizar nos games móveis.

Candy Crush é um game free-to-play, ou seja, você pode testar o jogo e, se gostar, segue jogando. Se você quer mais poderes no jogo, paga por isso.

Porém, a base de usuários que pagam pelos add-ons é muito pequena. A maioria joga de graça, o que beneficia a King, já que muitos falam bem do jogo. Alguns nunca pagaram um centavo pelo jogo, mas falam bem do game para outras pessoas, que eventualmente podem pagar.

Um jogo que você pode jogar o quanto você quiser, e decidir o quanto pagar por ele. É a combinação perfeita, o equilíbrio do pay to play que gera importantes receitas até hoje.

 

 

Hoje, Candy Crush completa cinco anos, e a fórmula parece não se esgotar. A King segue diversificando e oferecendo novos níveis com o passar do tempo.

Será que veremos esse jogo sobreviver uma década?

Veremos. Metade da jornada eles já alcançaram. E com ótima saúde.