moto-g-2014-01

O estudo IDC Mobile Phone Tracker Q3, realizado pela IDC Brasil, mostra que o encolhimento da economia brasileira, as eleições, a Copa do Mundo no país ou o escândalo da Petrobrás não impactaram no mercado de smartphones no Brasil, que continua crescendo.

De acordo com o levantamento, foram vendidos 15.1 milhões de celulares inteligentes entre os meses de julho e setembro de 2014, o que significa um crescimento de 11% na comparação com o segundo trimestre e de 49% se comparado com o mesmo período do ano passado. No período também foram vendidos 4.7 milhões de feature phones.

Novamente os resultados de vendas superaram as expectativas. Os smartphones não foram impactados pelos problemas que afetaram outros mercados e a tendência é que mais um recorde seja quebrado no próximo trimestre. Entre os fatores que determinaram os resultados positivos, a oferta de dispositivos cada vez mais baratos é o que mais tem influência.

No começo de 2011, o preço médio dos aparelhos estava em R$ 900. No segundo trimestre deste ano caiu para R$ 700 e, entre julho e setembro de 2014, a média de preços ficou em R$ 590. O comportamento das redes varejistas também influi nas vendas de smartphones.

Os aparelhos intermediários (de R$ 450 até R$ 900) ultrapassaram os de entrada (até R$ 400) e já representam metade do mercado brasileiro. Isso mostra que o consumidor está entendendo melhor a questão do custo benefício e concluindo que o preço mais alto significa um aparelho também com mais qualidade e recursos.

Além dos bons resultados no varejo, o smartphone tem tido uma parcela representativa no bolo de produtos de tecnologia. Somando celulares inteligentes, tablets e PCs em uma mesma categoria, temos mais de 72 milhões de dispositivos vendidos, sendo 55 milhões apenas de smartphones. Em 2008, a quantidade total de vendas foi de 15 milhões. Em apenas quatro anos, quase quadruplicou o número de fabricantes – passou de 55, em 2010, para 194, em 2014.

Sistema operacional
Dos aparelhos vendidos entre julho e setembro de 2014, 91% tinham o Android como sistema operacional. A novidade do período foi o Windows Phone, que ultrapassou o iOS depois de dois trimestres em segundo lugar, sinalizando que o ano deve encerrar com o Android em primeiro lugar em market share, com iOS e Windows Phone tecnicamente empatados.

Telas grandes invadem o mercado
A tendência das telas grande continua em alta. Em 2011, 93% do mercado era composto de aparelhos com tela abaixo de 4 polegadas e, em 2014, projeta-se que o mercado de smartphones termine o ano com mais de 63% de telas acima de 4 polegadas. Com relação aos phablets – dispositivos acima de 5 polegadas – a IDC acredita que até o final de 2016, 50% do mercado mundial seja composto por phablets. No Brasil, esse índice deverá ser atingido até 2018, sendo que, em 2013, os aparelhos com tela acima de 5 polegadas representavam cerca de 7% do mercado e neste ano já devem representar 15% do total de smartphones.

Novo recorde vem aí
Além de divulgar os resultados do estudo IDC Mobile Phone Tracker Q3 referente ao terceiro trimestre, a IDC Brasil antecipa dados apurados do quarto trimestre de 2014 e que apontam para a quebra de um recorde.

O mês de Outubro de 2014 foi o mês com o maior número de vendas de smartphones da história. Foram mais de sete milhões de aparelhos vendidos e, a título de comparação, apenas dois milhões a menos do que foi vendido em todo o ano de 2011.

Segundo a e-bit, o smartphone foi o item mais procurado na Black Friday este ano. As receitas e pedidos no varejo online de celulares cresceram mais de 600% na comparação com 2013. Para todo o ano de 2014, a IDC estima vendas de 55 milhões de celulares inteligentes.

Via assessoria de imprensa