blackberry classic

 

Com as primeiras imagens do BlackBerry Mercury vazadas, estamos diante do começo do fim da empresa canadense como conhecemos.

O Mercury será o último smartphone fabricado pela BlackBerry, que segue no mercado de telefonia móvel, com outras empresas desenvolvendo e fabricando seus dispositivos.

Apesar dos lançamentos, a empresa atravessa uma grande crise, na busca de recuperar o terreno perdido no mercado mobile. Por isso, questionamos o futuro da empresa e do seu ecossistema.

 

BlackBerry Mercury saiu de um caixão

 

blackberry-mercury

 

Os primeiros rumores sobre o BlackBerry Mercury é que ele pode chegar ao mercado nas próximas semanas.

Temos um dispositivo com teclado físico e especificações que devem chamar a atenção no segmento de linha média. Porém, muito nos leva a crer que este será mais um BlackBerry saindo de um caixão, abandonado, e que agora chega ao mercado para ser o último dos moicanos.

Nem sempre isso dá certo. Apesar de contar com características e especificações atualizadas, algo fica no caminho, e suas carências rapidamente ficam evidentes.

Por enquanto, sabemos que este smartphone será apenas mais um entre tantos no mercados, mas será sempre interessante para quem sempre quis ter um modelo com teclado físico.

Ou seja, pode ser mais um grande fracasso de vendas como tantos outros modelos recentes da BlackBerry, que por sua vez pouco ou nada fez para reverter esse quadro.

 

 

A BlackBerry só tem smartphones “do passado”

 

blackberry-priv

 

Eu tive um BlackBerry. O mais popular de todos, o 8520. E confesso que me apaixonei por esse tipo de smartphone.

Era referência no mercado por conta do teclado físico que entregava produtividade, sem falar nas vantagens do seu sistema operacional.

Depois desse modelo, outros tantos vieram. Todos muito interessantes.

Mas infelizmente, o mercado mudou. O Android chegou, e os canadenses não souberam se adaptar aos novos tempos. Demorou demais para lançar o BlackBerry 10 e novos dispositivos.

Quando os modelos BlackBerry Z10 e Q10 chegaram ao mercado, estavam condenados ao esquecimento.

Os dois abriram a porteira para uma sequência de fracassos, até o lançamento do BlackBerry Priv, o primeiro smartphone dos canadenses com Android.

Apesar de boas vendas iniciais, o modelo foi mais um fracasso. E desde então, vemos novos smartphones da marca sem despertar qualquer interesse.

O Mercury será o último da lista, que só confirma que os smartphones da BlackBerry são vindos do passado.

 

 

Há espaço no mercado atual para uma BlackBerry?

 

Comprar um BlackBerry usado pode ser um bom negócio, mas apenas para os mais nostálgicos.

Os teclados físicos hoje não são o que eram, e o BlackBerry 10 é um sistema operacional cheio de carências, sem os aplicativos mais usados hoje.

O Priv, com Android, já está em outro nível. Mas seu preço não se justifica, baseado no que ele entrega.

Logo, entendo que não há mais lugar para uma BlackBerry. Não apenas no dia a dia da maioria dos usuários, mas também no mercado como um todo, já que seus dispositivos não chamam a atenção em nada.

Lançar velhos produtos do passado não ajuda. Quem sabe a empresa arrisque no futuro em lançar um modelo top de linha de verdade, com um bom teclado físico e o sistema operacional Android.

Quem sabe assim a marca volte a encontrar um espaço nas nossas vidas.