Em breve, essa pequena peça que você vê acima deverá ser comum na casa dos brasileiros. Bom, pelo menos esse é o objetivo do Governo Federal na sua nova versão do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), que deve ser anunciado no começo de 2013.

A adoção da internet via rede elétrica é a novidade mais importante que o novo projeto deve apresentar, entre outras mudanças que visam popularizar o serviço de internet de alta velocidade, além de acelerar a expansão de internet entre os internautas de baixa renda. O governo pretende colocar “smartgrids” (os adaptadores de rede elétrica com saída ADSL, para internet banda larga) na lista de itens de infraestrutura de banda larga, para que esses passem a ter desoneração fiscal.

Além disso, a adoção de internet via rede elétrica reduz drasticamente os custos de implantação da rede, uma vez que mais de 90% das casas brasileiras contam com o serviço de energia elétrica, bastando apenas a tecnologia de distribuição de sinal de internet através da rede já existente. Por causa disso, o Governo Federal entende que cidades do interior do Brasil e periferia das grandes cidades (locais onde a oferta de pacotes de banda larga são mais raras) poderão ter o acesso à web mais rapidamente.

Outro objetivo a ser alcançado com essa medida é o aumento da velocidade dos locais que já contam com o serviço de banda larga. Aliás, essa não é apenas uma meta do novo PNBL, mas também das novas regras da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), que determina um aumento gradual de velocidade entre as prestadoras de serviço até o final de 2014.

Via Exame/Abril