autonomia de bateria nos smartphones

Hoje, a autonomia de bateria dos smartphones e tudo o que rodeia a bateria dos mesmos são pontos que mais preocupam os usuários. Porém, é um dos elementos que menos melhorias recebe. Um estudo mostra como isso vem afetando a nossa vida nos últimos anos.

 

Queda de autonomia, mas mantendo níveis aceitáveis (ainda)

No primeiro gráfico, podemos ver um resumo da evolução da autonomia de bateria em minutos nas principais linhas dos principais fabricantes nos últimos três anos. Nele, podemos ver claramente que a maioria dos casos se produziu uma queda considerável, que nos levou a quase a mesma situação existente em 2014, salvo algumas exceções pontuais, como é o caso do Samsung Galaxy Note e o Apple iPhone.

1-1-3

O segundo gráfico mostra a tendência muito mais clara que já é aplicada em boa parte da indústria, com um grande crescimento que culminou em 2014, com uma nova queda nos tempos atuais. O que melhorou muito e de forma sustentável é o tempo de recarga, que caiu gradualmente.

1-2-2

Fica claro que, apesar dos grandes avanços técnicos produzidos nos últimos três anos, o fato de passar de telas com resolução 720p e processadores de quatro núcleos para telas com 1440p e chips de até 10 núcleos e manter uma autonomia de bateria aceitável é uma conquista relativamente importante.

1-3-2

Porém, é evidente que há um longo caminho a ser percorrido e muitas coisas a se melhorar, mas isso não deve acontecer até que os fabricantes aparquem um pouco a guerra de desempenho e dos pixels, se centrando um pouco mais nas baterias.

Via PhoneArena