Os primeiros dispositivos compatíveis com as redes 5G estão chegando, com os fabricantes se preparando para esses lançamentos. Porém, um fator peculiar precisa ser levado em consideração.

Nos últimos anos, vimos melhorias nos componentes, que resultaram em um design mais bonito e elegante. Agora, tudo pode mudar, e para pior. Justamente por causa do 5G.

A rede 5G precisa de um espectro com frequências mais altas, em uma onda de rádio que não tem o mesmo alcance que as ondas hoje utilizadas, sem falar que ela não é tão boa para penetrar paredes e objetos.

Se a sua mão estiver em cima da antena, a conexão perde qualidade. Ou seja, os fabricantes terão que incluir uma antena maior e mais potente para o 5G.

Para isso, os materiais serão diferentes, com um formato e, principalmente, tamanho maiores. As traseiras de metal devem desaparecer, assim como o uso desse material nas laterais do smartphone.

Mas o mais sério de tudo é ver a volta da antena nos primeiros smartphones com 5G, muito presente nos smartphones tijolões dos primeiros celulares. Por exemplo, o Motorolo Moto 5G Mod conta com uma antena com tamanho significativo.

Tal limitação de design pode atrasar a propagação das redes 5G, pois nem todos os usuários vão aderir aos novos dispositivos. Além disso, as operadoras terão que instalar centenas de pequenas antenas para distribuir o novo sinal.

Por isso, muito provavelmente os fabricantes de smartphones não devem adicionar o 5G nos modelos top de linha, pelo menos não logo de cara. Ainda mais quando isso vai prejudicar o design dos dispositivos.

A implementação do 5G não será uma tarefa simples, e em vários países. Assim como o 4G também teve complicações na sua expansão. Logo, nada de pressa: curte o seu 4G capenga por enquanto. Aceita, que dói menos.

 

Via The Verge