linux

 

Nesse post, compilamos as melhores distribuições GNU/Linux de 2016, a partir da perspectiva final do usuário.

Apesar do cenário não mudar muito do tradicional, temos algumas novidades que podem ser interessantes em diversas frentes. Vale a pena reforçar que a lista oferece recomendações voltadas para o usuário final do GNU/Linux, e que você é livre para escolher aquela que é a melhor versão para você.

 

 

Linux Mint

 

 

É o rei do Linux por mais um ano. O Linux Mint 18 repete a fórmula bem sucedida do software lançado em 2015, apostando na estabilidade, no suporte ao longo prazo e nas atualizações periódicas do ambiente de escritório.

Vale destacar a vanguarda tecnológica do software, além da aparência visual cada vez melhor.

 

 

Ubuntu

 

 

No mesmo ano que o Ubuntu lança uma versão LTS, a falta de novidades no Unity, a má impressão que o Kubuntu passou e o atraso da Ubuntu GNOME resultaram em um vice campeonato para a versão. Isso, somado a alguns tropeços na primeira semana de lançamento da nova versão.

Porém, tudo é relativo. Nesse momento, o Ubuntu 16.04 está bem visto, mesmo com poucas novidades. Pode ser considerado uma aposta segura para o seu equipamento doméstico.

 

 

openSUSE Leap

 

 

A edição estável do openSUSE (Leap 42.2) é um “camaleão comunitário com estabilidade empresarial”, com repositórios imprescindíveis e um entorno KDE Plasma excelente.

Alguns aspectos podem ser melhorados, mas é uma das distribuições mais refinadas do panorama comunitário (com todo respeito ao Debian).

 

 

Menções honrosas

 

Algumas outras distribuições GNU/Linux se destacaram em 2016, seja pela experiência de uso, pelas novidades ou pelo desempenho geral.

 

 

A surpresa: KDE Neon

 

O ex-fundador e líder do Kubuntu saiu da Canonical, mas demorou pouco para lançar uma iniciativa sensacional: a KDE Neon, a distribuição oficial do projeto KDE e uma aposta para um futuro mais que interessante.

 

 

A pioneira: Fedora

 

Não é algo que podemos recomendar, mas… a César o que é de Cesar. O Fedora é pioneiro na adoção das tecnologias mais inovadoras. A prova disso é o Fedora 25, o primeiro a apostar no Wayland.

 

 

A rolling release mais amigável: Manjaro

 

O Manjaro é um projeto muito particular, a ponto de ser a rolling release mais amigável para o usuário iniciante, e isso quer dizer muito dentro desse setor. É uma Arch Linux para seres humanos, em um simples resumo.

 

 

A decepção: elementary OS

 

O “pior” de 2016. O elementary OS não é um sistema ruim, mas o elementary OS Loki é uma versão tão insultante, que poucos deram atenção para resenhá-la.

 

 

A incóginita: Deepin

 

Vai ser interessante ver a evolução da Deepin em 2017. A distribuição chinesa mais internacional, e uma das que mais avançou nos últimos anos.

 

Por fim, mais duas menções de distribuições que caíram em 2016, para talvez não mais voltarem: a Edubuntu e a Mythbuntu, ambas integrantes da família oficial do Ubuntu.