O Wall Street Journal, fonte de prestígio em qualquer tipo de assunto, soltou nessa semana a “bomba” que ligou o alerta vermelho para todos: a Apple estaria se deparando com uma demanda abaixo da esperada do iPhone 5. O inesperado anúncio causou reflexos imediatos, como a queda das ações da empresa, e até um cenário de caos antecipado, como “o fim de uma era” em relação ao smartphone da Apple. Porém, parece que as coisas não são tão alarmantes quanto parecem.

O site AppleInsider divulga as previsões da KGI Securities, que afirmam que a Apple vai encerrar o último trimestre fiscal de 2012 com vendas simplesmente excelentes, superando a marca de 52 milhões de unidades vendidas do iPhone 5 ao redor do planeta. Os analistas dessa empresa vão além, e garantem que as vendas do iPhone 5 e do iPad “aumentaram” durante o último trimestre do ano passado.

Por outro lado, na mesma linha de raciocínio do WSJ está o site Wired, que sugere que a redução da demanda dos produtos pode ser devido a “causas pontuais” (ofertas de outros produtos e promoções em locais específicos de concorrentes, por exemplo), ou até mesmo a preparação do mercado de um suposto iPhone 5S. Segundo esse veículo, a redução do pedido dos componentes do iPhone 5 pode ser motivado pela preparação da próxima geração do smartphone.

Vale lembrar que os números apresentados pelo AppleInsider vem de empresas que fazem estimativas de vendas, sem serem os números oficiais da Apple, que deve o seu relatório financeiro do último trimestre de 2012 na próxima semana. Fato é que a empresa precisa se mostrar estável no quesito vendas, já que suas ações já perderam mais de US$ 200 de valor de mercado desde setembro de 2012. Alguns especialistas de Wall Street afirmam que esse pânico criado sobre a Apple é algo exagerado, uma vez que a empresa se mantém sólida no mercado, mesmo com uma perspectiva de não apresentar resultados tão espetaculares quanto estamos acostumados.

Também não espero uma grande queda nas vendas do iPhone 5. Não acredito que justamente o trimestre mais lucrativo para o comércio em geral vai ser um ponto chave para mostrar um sinal de declínio do smartphone mais popular do mundo. Talvez quando observarmos as vendas do primeiro trimestre de 2013, essa suposta queda fique mais clara. Até lá, de fato, não há motivos para se criar uma nuvem de fumaça por causa das vendas do produto. Talvez o que pode deixar todos alarmados são justamente os rumores de um novo smartphone ainda para o primeiro semestre do ano, ou um iPhone mais barato, com peças mais simples. Ao meu ver, isso é pior do que as quedas de vendas do produto.