apple-iphone-sar

 

Acredite, se quiser, mas smartphones ainda servem para realizar chamadas telefônicas. E é mais que normal que levemos o dispositivo até a orelha para atender a chamada recebida, apesar dos recursos para uso das mãos livres (fones de ouvido ou viva voz) se tornarem cada vez mais comuns.

Porém, se você der uma olhada na documentação legal do iPhone 7, vai ver a frase “para reduzir a exposição à rádio frequências, utilize uma opção de mãos livres”.

Ou seja, temos aqui uma recomendação legal que está presente em uma infinidade de dispositivos com conectividade sem fio.

 

Não entr eem pânico: você pode atender sua chamada recebida sem medo

 

bart-paranoico

 

O debate sobre os riscos da radiofrequência emitida pelos smartphones não é algo novo. A paranoia de que os celulares provocam câncer começou no final dos anos 90.

A teoria já foi desmentida várias vezes, mas ainda que o smartphone não represente um perigo à saúde, eles devem cumprir uma série de requisitos.

Há limites na taxa de absorção específica (SAR) que os fabricantes devem cumprir. Os dados chegam acompanhados de várias recomendações de segurança, com itens específicos sobre como usar e a distância em que os testes foram feitos.

É importante reforçar que, dentro dos limites legais, não há qualquer perigo em realizar uma chamada com o smartphone colado na cabeça.

O problema é interpretar de forma errada essa informação.

As recomendações são entendidas como requisitos, tal e como acontece com o iPhone 7 (A1778). Essa versão conta com um modem específico que gera uma emissão de radiofrequência diferente dos demais modelos da série.

Para reduzir a exposição, vale a pena usar as mãos livres, como o alto falante integrado, fones de ouvido ou outos acessórios similares. Transportar o iPhone a uma distância mínima de 5 milímetros do corpo garante que seu corpo fique em um nível de exposição abaixo dos testados.

Os cases com peças metálicas podem mudar o comportamento das radiofrequências do dispositivo, assim como as diretrizes de exposição e radiofrequências. O uso do dispositivo em contato com peças metálicas não foi testado nem certificado.

Se buscarmos o mesmo documento para outros modelos do iPhone 7, não encontramos exatamente a mesma advertência, e o mesmo acontece com modelos anteriores, como iPhone 6 e iPhone 5. Em todos eles, a Apple recomenda a não levar o smartphone a  menos de 5 milímetros do corpo.

No iPhone 4, essa distância foi de 10 milímetros, porque os testes aconteceram nessa distância.

Outras marcas como Samsung, Huawei ou LG também incluem recomendações desse tipo na sua documentação legal de seus produtos, com advertências similares em quase qualquer dispositivo sem fio de uso pessoal.

Ou seja, se você tem um iPhone 7 modelo A1778, não tem por que se preocupar. É um smartphone totalmente seguro.

 

Via Apple