A “guerra de patentes” entre Apple e Samsung parece mesmo não ter fim. As duas gigantes do mundo da tecnologia estão alternando entre vitórias e derrotas em tribunais ao redor do mundo, e mais um capítulo dessa disputa está prestes a começar nos Estados Unidos, um dos locais onde a Apple está recebendo um parecer favorável em sua causa. A empresa de Cupertino quer adicionar o tablet Galaxy Note 10.1 no seu processo de violação de patentes, e como “bônus”, está procurando bases legais para adicionar a versão 4.1 (Jelly Bean) do Android em seu processo.

A Apple apresentou as suas alegações ontem (06) na corte do distrito da Califórnia, e segundo os advogados da fabricante do iPad, o Galaxy Note 10.1 infringe algumas de suas patentes, e poderia ser adicionado no processo movido contra a Samsung, que já está em andamento. Além disso, a Apple também pretende adicionar o Jelly Bean (4.1) no processo para barrar a comercialização nos Estados Unidos do Galaxy Nexus, uma vez que este smartphone teve sua proibição de venda no país revertida recentemente, podendo ser comercializado normalmente.

Andrew Liao, advogado da Apple, afirmou para o site da Bloomberg que deseja “adicionar 17 dispositivos que podem utilizar uma caneta”, embora nenhum deles seja vendido com uma caneta apontadora originalmente. Já a advogada da Samsung, Victoria Maroulis, mostra claramente que a empresa que ela representa não vai ficar parada, assistindo tudo isso acontecer, e vai para o contra-ataque, colocando o iPhone 5 em sua ação contra a Apple.

Os argumentos das partes foram apresentados ao juiz Pal Grewal, que ainda vai se pronunciar sobre sua decisão. Segundo a Bloomberg, Grewal está preocupado em negar as solicitações das duas empresas, pois isso poderia desencadear uma nova sequência de ações judiciais longas e desgastantes. O processo que adiciona o Galaxy Note 10.1 e o Android 4.1 tem o seu julgamento previsto para 2014.

A disputa entre Apple e Samsung virou um jogo de xadrez, onde não existe o bonzinho ou o bandido. A Apple venceu nos Estados Unidos, mas vem sendo derrotada (ou não tendo razão em seus processos movidos) em outros mercados considerados chave na Europa e na Ásia. Ao mesmo tempo (e esse é o ponto que mais preocupa a Apple), as vendas do Galaxy S III são expressivas, assim como toda a família de smartphones Galaxy. De quebra, a cota de mercado do iPad está caindo, enquanto que a Samsung se aproxima dos 20% da cota do mercado de tablets.

Tudo isso serve como combustível para que essa batalha vá para os tribunais. Mais uma vez, lamento que as duas empresas não dediquem os seus esforços para serem criativas o suficiente para oferecerem novos e interessantes produtos para o consumidor. Proibir um produto de ser vendido em um país só vai fazer com que, no máximo, a empresa conquiste a antipatia do consumidor, que no final das contas, só quer produtos melhores.

Até porque não existe empresa santa nesse mundo. Nem mesmo a Apple, que até design de relógio  suíço já copiou. Logo…