Para quem tem um olhar mais observador, pode detectar sinais evidentes que, a partir do momento que Scott Forstall foi deslocado para o cargo de chefe do iOS da Apple, e que Jony Ive foi promovido para o segmento da empresa que revisa a experiência do usuário, fica muito claro que a empresa de Cupertino está planejando uma grande renovação na interface do usuário do iOS e OS X.

Os analistas (e até mesmo muitos usuários) concordam que esse é o momento perfeito para começar a realizar renovações na interface dos produtos da empresa, dentro das grandes atualizações anuais que são lançadas para refinar os seus sistemas operacionais. O último sinal que mostra que as mudanças estão em progresso é uma oferta de emprego da Apple, que busca engenheiros de software para o desenvolvimento de novas interfaces de usuário para a suíte iLife.

Apesar do fato do replanejamento geral das interfaces da Apple estar em curso, é óbvio que isso não significa que essas novas interfaces vão chegar ao mercado de uma hora para outra. As interfaces são parte muito importante para os usuários, e não é fácil encerrar com algo que funcionou de forma eficiente para o consumidor e para milhões de desenvolvedores durante anos. Por outro lado, toda essa reorganização servirá para que, no futuro, os sistemas operacionais da empresa compartilhem muito mias experiências e elementos de design nas suas próximas versões.

Vale lembrar que a interface do iOS permaneceu praticamente intocável desde o seu lançamento, em 2007. Uma simples tela principal cheia de ícones quadrados com cantos arredondados, e uma zona de ícones permanentes na parte inferior. A experiência de uso foi sendo aprimorada ao longo dos anos, os ícones agora contam com mais sombras, e alguns detalhes e pequenos retoques foram feitos. Mas nada de muito radical foi adicionado ao iOS.

Uma história parecida aconteceu com o OS X, cuja interface foi apresentada em 2001, com a versão Cheetah. A última importante mudança de interface aconteceu em 2007, com o Leopard, que remete mais à experiência de uso que estamos acostumados hoje. As últimas versões do sistema operacional adicionaram características importantes, como a integração na nuvem ou novos gestos, mas mais uma vez não vemos mudanças efetivas, apenas evolutivas.

Muitos dos aplicativos desenvolvidos pela Apple são metáforas do passado, que inibem a inovação e limitam a imaginação dos desenvolvedores. Um exemplo disso é um bloco de notas que acentua os rasgados do papel antigo, e não dos atuais meios digitais.

Segundo comentou anonimamente um designer da Apple, o que podemos esperar da futura renovação de interface dos sistemas operacionais da empresa são bordas limpas e superfícies planas, que substituirão as texturas que nesse momento se encontram em toda a tela.

Via Wired, Apple