A hora da verdade. Para muitos analistas de mercado (e principalmente, para o Wall Street Journal, que na semana passada ligou o “botão do pânico” na Nasdaq, por afirmar que as vendas do iPhone estavam abaixo do esperado), foi com esse sentimento que o anúncio do relatório trimestral financeiro da Apple foi esperado. E, no final das contas, eles apresentaram vendas recordes, aumento de vendas dos seus principais produtos com iOS, e uma diferença de lucros praticamente estagnada. Mas que são lucros, e é isso o que importa.

Para começar, a Apple informou em seu relatório que eles arrecadaram US$ 54.5 bilhões de vendas dos seus produtos durante o seu primeiro trimestre fiscal de 2013, que equivale ao último trimestre de 2012. Este é um novo recorde de vendas para a empresa no período (no ano passado, eles registraram US$ 46.3 bilhões de vendas), que traduz esses números nos valores designados para os seus dois principais produtos. O iPhone vendeu 47.8 milhões de unidades nos últimos três meses fiscais (contra 37 milhões de unidades no primeiro trimestre fiscal de 2012), e o iPad (em todas as suas variantes) registrou 22.9 milhões de unidades vendidas no período (em 2012, foram 15.4 milhões de unidades, e no terceiro trimestre de 2012, foram 14 milhões de unidades).

Quando falamos do Mac, as coisas mudam um pouco de figura, já que a empresa de Cupertino vendeu apenas 4.1 milhões de unidades, contra 5.2 milhões de unidades do ano passado. A linha iPod segue em queda livre de vendas, já que registraram apenas 12.7 milhões de unidades comercializadas (de todas as suas variantes disponíveis no mercado), contra os 15.4 milhões de unidades do ano passado.

Um dado interessante: as vendas na China, mercado muito cobiçado pela Apple, cresceram em 67% em apenas um ano, representando US$ 6.8 bilhões das vendas da empresa. O principal mercado para Tim Cook e companhia segue sendo o dos Estados Unidos, que é responsável por mais de US$ 20.3 bilhões das vendas da empresa. A Apple ainda conta com US$ 196 bilhões para serem usados em investimentos diversos, como compras de outras empresas, desenvolvimento de novas tecnologias, aquisições de bens ou distribuição desse valor entre os acionistas.

São mais de 500 milhões de dispositivos iOS espalhados pelo mundo. O iCloud conta com 250 milhões de usuários, e mais de 2 bilhões de mensagens são enviadas por dia pelo iMessage. Tudo isso é muito interessante. O único ponto de alerta para a Apple está justamente nos lucros arrecadados. A curva de crescimento da empresa em relação ao trimestre anterior no quesito lucros (quando você faz as contas de quanto vendeu, e tira desse valor quanto você gastou) foi praticamente zerada, com um lucro trimestral de US$ 13.1 bilhões, contra US$ 13.0 bilhões do mesmo período do ano passado.

Não é prejuízo. Ainda é lucro, e muito lucro. Mas um ano depois, o crescimento da empresa foi praticamente anulado. Manteve os benefícios, mas não ampliou vantagem. Em anos anteriores, isso não era assim, e esse pode ser um importante sinal de alerta para Tim Cook e companhia.

Mesmo assim, como eu disse antes… eu gostaria de estar em crise lucrando US$ 13 bilhões a cada três meses…

Via SlashGear