Quando os demais fabricantes revelam os seus resultados fiscais, muitos pensam “são apenas números”. Agora, quando falamos da Apple… aí sim, vemos o quanto que uma empresa de tecnologia se mostra eficiente naquilo que realmente importa nesse mercado tão competitivo: vender. No meio de tantas revelações de lucros trimestrais, a Apple de novo se destaca, com números expressivos referentes às vendas do último trimestre.

A empresa de Cupertino tornou público os resultados do seu terceiro trimestre fiscal, e apesar de uma pequena queda nesses números (algo que é relativamente normal para o período do ano, e para as condições financeiras ao redor do planeta), os resultados fazem os executivos comemorarem e muito.

A Apple registrou US$ 35,023 bilhões de vendas durante os últimos três meses (o terceiro trimestre fiscal da Apple terminou no dia 30 de junho de 2012), dos quais US$ 8,8 bilhões são lucros líquidos da empresa. Mesmo não sendo um recorde de benefícios para a companhia de Tim Cook, esses lucros aumentaram em US$ 1.5 bilhão em comparação com o mesmo período de 2011, com o iPhone sendo o carro chefe desses novos números.

O iPad continua sendo um fator importante para a lucratividade da Apple, e a empresa pensa em reforçar a presença do produto no mercado educacional norte-americano. Afinal de contas, o iPad conseguiu vender cerca de um milhão de unidades em centros educacionais. Além disso, o MacBook Air também encontrou nas escolas um terreno muito vantajoso, apresentando vendas expressivas nesse segmento.

Ainda falando do iPad, vale a pena saber que suas vendas cresceram em 84% em um ano, alcançando a marca de 17 milhões de unidades vendidas em suas duas versões hoje comercializadas (iPad 2 e iPad 3/novo iPad). Já o iPhone acumulou 26 milhões de unidades vendidas, um aumento de “apenas” 28% se comparado ao mesmo período do ano anterior, e uma leve queda em relação ao trimestre anterior, onde a empresa vendeu 30 milhões de iPhones em seus diferentes modelos. Segndo informa a Apple durante a coletiva que apresentou os resultados, os incessantes rumores sobre o possível iPhone 5 (ou novo iPhone) foram os principais responsáveis pela queda de suas vendas. Seguindo essa lógica, essa queda deve ser ainda mais acentuada no último trimestre fiscal da Apple.

Como vem sendo tendência dos últimos meses, os equipamentos Mac só cresceram 2% em suas vendas, com um pouco mais de 4 milhões de vendas ao redor do mundo. E confirmando o que vem acontecendo nos últimos meses, a família de produtos iPod segue em queda livre, com um decréscimo de 10% nas vendas em relação ao ano passado, e tendo uma influência cada vez menor nos lucros da Apple.

Me arrisco a dizer que o conceito de player portátil (e, por tabela, o iPod como conhecemos) está morto, uma vez que todo smartphone ou celular pode cumprir com o papel de reprodutor de arquivos de música digital. Logo, dá para apostar que, em um espaço de dois a três anos no máximo, a família iPod vai desaparecer. Ou vai sobreviver para apenas os nichos específicos de mercado (músicos, esportistas, etc).

Via Apple