Android O

 

Não sabemos se será Android Oreo, mas estamos na torcida desde já.

De qualquer forma, a Google publicou hoje (21) a primeira versão para desenvolvedores da próxima versão do seu sistema operacional móvel. O Android O conta com poucas, mas interessantes novidades que dão pistas do que está por vir.

O primeiro preview do Android N foi lançado nessa época no ano passado, disponível para todos via OTA e nos programas de betas. Dessa vez, o Android O precisa ser baixado manualmente e instalado nos dispositivos compatíveis.

 

 

Android O Developer Preview

 

 

O Android O Developer Preview é compatível com os dispositivos Nexus 5X, Nexus 6P, Nexus Player, Pixel, Pixel XL e Pixel C, e está disponível para download no site da Google. Lembrando: a instalação é por sua conta e risco, já que adotar essa versão apaga todos os dados do dispositivo.

A decisão de não liberar essa primeira versão para o público é para que os desenvolvedores possam testar com calma seus aplicativos e adaptá-los ao novo sistema operacional, evitando o caos visto na época do Android N. Nas próximas semanas, o Android O estará disponível para todos no programa de betas.

É sempre bom lembrar que esta é uma primeira versão, sem mudanças significativas ou novidades que saltem aos olhos, onde a Google segue trabalhando em suas entranhas e não tanto na interface.

 

 

O Android O vai permitir que os desenvolvedores integrem seus aplicativos a novos canais que agrupam cada aplicativo por tema. Agora, os usuários poderão gerenciar que tipo de notificações querem receber, e que se ajustem às preferências do mesmo.

Dentro desses canais também entrarão mais aplicativos de jogos, entretenimento e outros que podem ser agrupados em uma única notificação. E tudo isso pode ser silenciado em conjunto, ou você pode ser notificado com apenas um grupo de notificações.

 

 

O famoso modo Picture-in-Picture chega ao Android com suporte nativo. Com ele, é possível ver vídeos em uma pequena janela flutuante dentro de qualquer tela, menu ou aplicativo do Android O.

Já o modo multi-tela é centrado para experiências de desktop, onde podemos conectar vários monitores simultaneamente, onde podemos inclusive controlar o sistema operacional de forma remota, a partir de outra tela.

 

 

Outro recurso que os desenvolvedores devem tirar proveito no Chrome OS é a navegação via teclado, já que muitas telas não são touch, e esse tipo de navegação é muito bem vindo nos computadores tradicionais.

Outra boa novidade (e a bateria de nosso smartphone agradece) é a limitação de atividades dos aplicativos em segundo plano, limitando os apps a um número específico de tarefas, sem aproveitar todos os recursos quando o usuário não está utilizando o software por muito tempo.

Por enquanto, a única novidade visual do Android O são os ícones adaptáveis, que busca unificar a aparência dos ícones dos aplicativos. Todos passariam a ser arredondados, no estilo do Google Pixel. Os ícones também seriam capazes de se adaptar a telas de maior ou menor tamanho ou resolução, e até melhorar as cores em monitores ou telas de maior tamanho.

 

 

Por fim, há melhorias no WiFi, Bluetooth para áudio, restrições para aplicativos de chamadas telefônicas, melhor suporte para fontes tipográficas, WebView melhorado, velocidade para o Android Runtime dobrada e novas APIs para Java.

É esperado que outras novidades apareçam mês a mês, e que durante o Google I/O 2017 mais detalhes sobre o produto final sejam revelados, assim como data de lançamento e o seu nome oficial.

 

Via Google