O Android comemora nessa semana cinco anos de vida, e na semana passada, uma nova versão do sistema do Gogole chegou ao mundo. A versão 4.2, que curiosamente mantém o nome da versão anterior (Jelly Bean), já chega com uma importante credencial: é a versão mais segura do Android já lançada. Quem garante isso? O próprio Google.

Nessa nova versão, eles aumentaram as configurações de segurança na Play Store, melhorando os recursos que já estavam presentes nas versões anteriores do Android. O novo recurso de segurança adotado pelo Google é um sistema de proteção de alta performance pensada exclusivamente para o seu sistema operacional móvel, que basicamente é uma extensão dos seus recursos de segurança já presentes na Play Store, mas que no lugar de proteger os aplicativos da loja, vai fazer uma varredura minuciosa em códigos maliciosos e/ou potencialmente nocivos em aplicativos instalados no dispositivo do usuário.

O usuário ainda tem a opção de eliminar por completo o novo recurso, caso ele fique com receio de ter a sua privacidade ameaçada, ou as configurações do seu dispositivo alteradas. Porém, o Google alerta que o recurso tem como único objetivo analisar quais são os aplicativos mais propensos a danificar o seu dispositivo. Além disso, não consigo imaginar qual seria o motivo de alguém se opor a ter uma maior proteção no seu dispositivo.

O processo de verificação é executado em segundo plano no aplicativo, e é capaz de localizar e analisar instantaneamente aplicativos de terceiros que são executados em seu dispositivo. Se o aplicativo é reconhecido nos servidores do Google como um programa seguro, a instalação vai prosseguir normalmente. Agora, se o aplicativo é sinalizado como perigoso, o sistema vai impedir que o usuário instale a ameaça. Para os programas que o Google não conseguir identificar como uma ameaça real, ou que contam com códigos questionáveis ou suspeitos, o sistema vai avisar ao usuário sobre os potenciais perigos em seguir com aquela instalação.

O Android 4.2 ainda conta com um sistema que vai alertar ao usuário quando um aplicativo tenta enviar uma mensagem de texto para algum tipo de serviço pago. O recurso também pode ser desabilitado pelo usuário, mas também não compreendo porque alguém não quer um recurso que o protege de problemas futuros.

A plataforma Android é a preferida para os criminosos virtuais, com malwares e outras ameaças para a plataforma móvel. Porém, o Android 4.2 Jelly Bean mostra um bom diferencial para proteger os dados e arquivos do usuário. E não pode ser diferente. Essas implementações são vitais para aumentar a confiança dos usuários em relação ao sistema, e por tabela, oferecer uma maior credibilidade ao Android.

Via BGR.com