Como a Motorola Mobility é agora uma empresa do Google, Eric Schmidt aproveitou para subir ao palco do evento de ontem (05) em Nova York para falar dos números… do Android! E as notícias seguem sendo muito boas para o sistema operacional do robozinho verde.

De acordo com Schmidt, 1.3 milhão de novos dispositivos Android são ativados por dia. No começo do trimestre passado, esse número era de 900 mil unidades. Ou seja, em uma conta rápida, esse número cresceu quase 50% em apenas três meses. E isso, porque o Google só conta os dispositivos ativos de parceiros oficiais. Não entram nessa conta os fabricantes ditos “alternativos”, ou xing-lings. Schmidt também confirmou que a base total de dispositivos ativos com alguma versão do Android é superior a 500 milhões de unidades ao redor do planeta. Logo, se você disse que o Android “jamais dominaria o mundo”, eu te pergunto: “cadê teu Deus agora?”

Falando especificamente do mercado dos tablets, os números são bem mais modestos. Apenas 70 mil tablets Android são ativados diariamente, e o executivo reconhece que esse número é baixo pelo simples fato do Google ter entrado mais tarde na competição do segmento de tablets. Devo discordar um pouco do Mr. Schmidt. Talvez os grandes fabricantes (ou aqueles que o Google considera como parceiros comerciais) entraram mais tarde na competição do Android, mas o sistema já tem um bom tempo de presença de mercado no segmento de tablets. De qualquer forma, fica a pergunta: será que o Google conta com modelos como o Nexus 7 e o novo Kindle Fire para turbinar esses números?

O Google também atualizou suas estatísticas sobre a distribuição das versões do Android em seus dispositivos ativos, e revelou que, só agora, a versão 4.0 (Ice Cream Sandwich) alcançou 1/5 dos dispositivos ativos, ficando com 20.9% dos smartphones e tablets presentes no mercado. Também confirmou que as versões 2.2 (Froyo) e 2.3 (Gingerbread) estão gradualmente perdendo espaço, e que o crescimentos da versão 4.1 (Jelly Bean) ainda é muito lenta, saindo de 0.8% no começo do mês de agosto para 1.2% dessa última análise revelada ontem (05).

A base de dados do Google é formada pelos dispositivos que acessam a Google Play em um período de duas semanas. Nessa análise em específico, eles coletaram dados da loja de aplicativos até o dia 04 de setembro de 2012. O estudo também mostra que a versão 3.0 (Honeycomb), que é específica para os tablets, segue o seu índice de queda, sendo aos poucos substituída pelas versões Ice Cream Sandwich e Jelly bean.

Mesmo assim, o Gingerbread ainda representa uma grande fatia de dispositivos Android no mercado (e um grande problema para o Google no quesito fragmentação), mas isso não é “culpa” só do Google. Muitos fabricantes e operadoras optaram por deixar a versão 2.3 rodando em velhos dispositivos, deixando de lado o desenvolvimento para versões mais recentes em curto prazo, ou preocupadas com a performance das novas versões em dispositivos com um hardware desatualizado.

Via IntoMobile e SlashGear