ios8-1

A Apple revelou novos dados sobre a adoção do iOS 8. A nova medição realizada em 21 de setembro registrou uma cota de mercado de 46% em relação ao mercado global de dispositivos com iOS.

O iOS 7 ainda é o mais adotado, com 49%, enquanto que os 5% restantes são divididos em versões anteriores do iOS. Aqui, mais uma vez destacamos a velocidade de adoção da nova versão do sistema operacional móvel da Apple.

Isso não exime a empresa de certas críticas. Muitos usuários reclamam nas redes sociais as exigências de espaço de armazenamento impostas pelo iOS 8, obrigando a muitos a remoção de aplicativos e arquivos pessoais para o procedimento de atualização.

Mesmo assim, o ritmo de atualizações é mais uma vez excepcional, demonstrando como os usuários aproveitam um ecossistema cuja fragmentação é praticamente nula. Aqui, as comparações com o Android são inevitáveis, mesmo sendo uma incrível perda de tempo (na minha opinião), uma vez que as duas plataformas contam com estratégias de participação de mercado contrastantes, sem falar que o problema de fragmentação do Android já foi bem maior.

 

Mais rápido que o iOS 7?

650_1000_evolucioniosadopcion

Os dados da Apple podem confirmar que as impressões iniciais sobre uma adoção mais lenta do iOS 8 em relação ao iOS 7 podem ter sido prematuras. Os dados da Tapjoy publicados em 18 de setembro indicavam que, pelo menos nas primeiras horas monitorizadas, o iOS 7 foi adotado mais rapidamente que o iOS 8.

Os novos dados oferecidos revelam uma adoção significativa, mas um estudo recente da consultora Fiksu (foto acima) confirma que nas primeiras 130 horas (menos de 6 dias), o iOS 8 tinha uma velocidade de adoção 30% menor em relação ao iOS 7.

Já o estudo da iClarified contradiz os dois estudos anteriores, pois mostra que durante o primeiro final de semana de vendas do iPhone 6 e iPhone 6 Plus, a cota do iOS 8 cresceu de forma notável, o que pode indicar que tal crescimento de cota foi inflado pelas vendas dos novos smartphones.

Veremos se a Apple se pronuncia sobre o assunto.

Via Fiksu, iClarified