O ciberataque contra o Ashley Madison iniciou um dos maiores escândalos da história da internet. A situação ficou caótica, já que o site de traição armazenava informações que identificavam seus usuários, na grande maioria pessoas casadas.

Parte desses usuários passaram por extorsão, e alguns deles chegaram a se matar pela pressão que receberam. Esse cenário explica perfeitamente a ação coletiva contra a Ashley Madison, e o processo chegou ao fim com um acordo aceito pela Ruby Life Inc, empresa proprietária do site.

Vale lembrar que a maioria dos perfis de mulheres no Ashley Madison eram falsos, o que tirava parte da efetividade do serviço. Das 5,5 milhões de mulheres registradas no site, apenas 12 mil eram usuárias reais.

No acordo, a empresa deverá pagar um total de US$ 11,2 milhões, que serão divididos entre os usuários afetados.

Em teoria, são considerados usuários afetados pelo ataque quem teve os seus dados pessoais expostos. A compensação financeira pode alcançar os US$ 3.500, e o dinheiro que não for reclamado será doado para instituições de caridade.

 

Via HardOCP