Tudo bem, isso já era de se esperar, até porque estamos falando de um produto recém lançado contra outro que já tem um bom tempo de vida. Mas era importante ter uma confirmação oficial, até mesmo para ajudar o consumidor na hora da compra. Mas é sempre bom lembrar que, quando Tim Cook apresentou o iPad Mini, garantiu que a sua resolução de tela seria a mesma do iPad 2. Mas, depois de uma boa olhada com a ajuda do microscópio, foi constatado que, para a nossa surpresa, ela é melhor que a tela dos seu antecessor.

O pessoal do site RepairLabs fez um comparativo de todas as telas do iPad, e no lugar de simplesmente tirar fotos das telas e comparar como elas exibem as imagens e gráficos, eles foram além. Além daquilo que os seus olhos podem ver, buscando as diferenças nas estruturas dessas telas. Inicialmente, eles comparam a estruturas de tela de um iPad 2 com um iPad 4, e como você já pode imaginar, a diferença é gritante. Os píxels do iPad 4 são a metade do iPad 2, e para cada grupo RGB do modelo de segunda geração, cabem pelo menos seis píxels (ou dois grupos) da mesma relação do iPad 4. Foto abaixo.

Até aqui, tudo bem, já que um modelo conta com a tela Retina, e o outro, não. A seguir, vamos ver as diferenças entre as telas do iPad 4 e do iPad Mini. Deveria ser a mesma do exemplo anterior, mas não é. A foto abaixo mostra que o iPad Mini (à esquerda) não apresenta a diferença tão acentuada de tamanho que existe entre o iPad 2 e o iPad 4. Os píxels da tela Retina são apenas 2/3 do tamanho dos píxels do iPad Mini. Além disso, a uma distância normal, as diferenças se reduzem. Veja você mesmo e tire suas conclusões.

Por fim, o que realmente interessa: o comparativo de telas entre o iPad 2 e o iPad Mini, para constatar a diferença de tamanho entre os píxels. Se compararmos os píxels por polegada, temos 132 para o iPad 2, e 163 para o iPad Mini. A resolução é a mesma, mas a redução do tamanho fazem com que os píxels do novo modelo fiquem mais juntos.

O fato é que isso mais ou menos confirma o que se falava um pouco depois do lançamento do iPad Mini: mesmo sem a tão esperada tela Retina, essa tela de 7.9 polegadas apresenta uma tela melhor que a do iPad 2, e não só por causa do seu tamanho, mas agora, e principalmente, por causa dessa distribuição de píxels oferecida na sua tela menor. Se a Apple ainda não poderia (ou não queria) oferecer a tecnologia Retina no modelo menor, ou não deu a devida importância em implementá-lo agora, jamais saberemos. mas é fato que ao menos eles se preocuparam em oferecer algo que já é um esboço do que pode vir no futuro.

Mantenho a minha teoria que a tela Retina não foi adicionada nesse momento por uma simples questão de estratégia de mercado. Primeiro, lance um produto mais restrito e limitado, para testar como o mercado vai se comportar, e se realmente as pessoas querem um iPad com uma tela menor. Se tudo der certo, aí sim você lança uma atualização com tudo aquilo que você poderia ter lançado desde já, mas que não lança pelo motivo já citado. E para causar aquele efeito do “nossa, a Apple é mágica e revolucionária; atualizou muito o iPad Mini, mas manteve o preço do produto!”. Sempre foi assim, e isso não vai mudar.

E, com tudo isso, eu volto a reafirmar: o iPad 2 virou um tablet obsoleto. Não se justifica mais no mercado nesse momento.