O iPhone 5 e o iOS 6 nasceram cheios de problemas, que nos Estados Unidos são chamados de “gates”. Primeiro, o “WiFiGate” que desabilitou o Wi-Fi de todos os dispositivos que foram atualizados para o iOS 6, por causa de uma falha no site Apple.com. A seguir, o “MapsGate”, que removeu o Google Maps para colocar o incompleto Apple Maps. Mas o mais sério de todos eles é o “ScuffGate”, que basicamente consiste nos amassados e danos no acabamento do smartphone, onde o usuário constatava que na região da antena do aparelho, havia essa aberração que você está vendo na foto acima.

Diferente dos problemas de software, que podem ser resolvidos diretamente pela Apple, sem precisar procurar cada usuário onde o problema aconteceu, no caso do “ScuffGate”, esses amassados e arranhões não podem ser resolvidos remotamente, obrigando a empresa a “sair caçando” os telefones problemáticos. De qualquer maneira, fique sabendo que, segundo o site da Bloomberg, a Apple já identificou o problema, e já refez os passos da expedição do produto, saindo das fábricas da Foxconn até o consumidor final, e concluiu que os amassados não acontecem durante o transporte dos smartphones.

Ou seja, como já era imaginado por muitos, o problema está nas fábricas que montam o smartphone, principalmente a Foxconn, que é a principal parceira da Apple na fabricação do produto. Pelo nível dos problemas apresentados, era de se esperar que o motivo do “ScuffGate” fosse mesmo o desleixo dos funcionários das fábricas.

Citando fontes anônimas, a Bloomberg informa que a Apple fez mudanças dramáticas no controle de qualidade das fábricas envolvidas na montagem dos seus produtos. Por consequência, o volume de produtos enviados para o mercado será menor, o que vai fazer com que os mercados onde o iPhone 5 já está no mercado seja ainda menor. Mesmo assim, esperamos que essa falha seja corrigida por completo, e que não afete o cronograma de lançamento do produto no Brasil. Por outro lado, não será surpresa se essa janela de lançamento for refeita, e você fique mais algumas semanas sem o smartphone tão cobiçado.

Via BGR.com