Precisamos mesmo de uma TV na sala?

Ainda que custe a acreditar, esse tipo de dúvida aparece quando as necessidades são impostas, como por exemplo, quando mudamos para um apartamento menor. O espaço dedicado à TV é um hábito do passado, mas os hábitos do presente indica que as pessoas estão cada vez menos televisão.

Logo, por que gastar dinheiro e espaço em um dispositivo que você não usa?

Muita gente está colocando um quadro ou flores no lugar da sala onde estava a TV. Aliás, a sala de estar virou “sala de estar” mesmo, onde as pessoas recebem visitas amigas ou ficam lendo seus livros preferidos.

Uma mudança nos costumes, já que os dois hábitos já eram um ponto de encontro entre as pessoas. Mas em função da TV, e não por elas mesmas.

 

 

A TV se transformou com o passar das décadas. A transmissão aérea perdeu espaço para a TV por assinatura, que hoje perde espaço para os serviços de streaming. Não temos canais. Agora, são aplicativos. Não recebemos o conteúdo. Agora, produzimos.

E, apesar de ver menos TV, hoje eu dedico mais tempo ao que quero ver, assistindo mais filmes, séries e eventos esportivos do que antes.

Com as crianças, as mudanças são ainda mais radicais. Os pequenos usam os seus tables e smartphones para ver conteúdos na Netflix ou no YouTube, e sem brigas. Cada um na sua. Pode parecer uma experiência individualista, e na verdade, é: acabou o tal “evento televisivo” na casa das pessoas. Hoje, ver TV se tornou algo mais pessoal do que nunca.

Tal transição tem seus reflexos nos equipamentos. Um iPad ou um Galaxy Note se tornou a TV principal de muitos usuários conectados. A qualidade de imagem e resolução das telas dos dispositivos móveis entrega uma experiência única, sem interrupções ou distrações, com um efeito muito mais imersivo.

 

 

Sobre os canais virarem aplicativos, é reflexo do comportamento “eu não quero mais esperar” para ver um programa. Agora, você escolhe o momento e o conteúdo que você quer ver. Netflix, HBO e Amazon Prime Video abraçam 90% das alternativas de conteúdo mais procuradas, com um preço competitivo. E tudo, ao mesmo tempo, e agora.

Hoje, bons serviços de streaming são necessidades reais para a geração conectada. Sem falar que alguns desses serviços permitem a visualização de filmes durante as viagens.

Ou seja, realmente precisamos de uma TV? Ou já podemos substituí-la por um smartphone ou tablet?